A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

23/07/2013 17:48

Polícia já ouviu quatro testemunhas da queda do avião que provocou duas mortes

Evelyn Souza
Polícia investiga se avião caiu devido ao mau tempo. (Foto: Polícia Civil)Polícia investiga se avião caiu devido ao mau tempo. (Foto: Polícia Civil)

A Polícia já ouviu quatro testemunhas da queda do avião que provocou a morte de dois produtores rurais, em Porto Murtinho. 

O acidente aconteceu na manha da última sexta-feira (19), na Fazenda Mestiça, que fica na região da Serra de Bodoquena. Guilherme Coimbra Prata, 50 anos e Geraldo Ribeiro, de 53, morreram na hora.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Roberto Gurgel de Oliveira Filho, três funcionários da fazenda e um amigo de Guilherme Coimbra prestaram depoimento.

“O amigo falou a respeito da experiência de Guilherme como piloto, disse que ele era muito experiente e cuidadoso. Já os funcionários falaram sobre o momento da queda”, explica o delegado.

Segundo os funcionários, a aeronave se aproximou para pousar, fez um retorno, acionou o trem de pouso e caiu. Durante a queda, houve explosão e eles ainda tentaram controlar as chamas. 

"Eles relataram também que o tempo estava fechado e com uma neblina baixa", acrescentou o delegado.

Hoje pela manhã, familiares dos produtores foram até a delegacia de Bonito e fizeram o reconhecimento dos pertences pessoais das vítimas. Eles ainda não foram ouvidos pela Polícia. 

O resultado do laudos dos corpos e do local do acidente devem ficar prontos em 30 dias e vão apontar as possíveis causas da queda do avião e da morte dos produtores rurais. Isso porque segundo a Polícia, ainda não é possível dizer se a aeronave caiu devido ao mau tempo e se as vítimas morreram durante a queda, por inalação de fumaça ou carbonizadas. 

No último sábado (20), uma equipe da Seripa IV (Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticas), acompanhou a perícia da Polícia Civil feita no local e realizou a perícia do avião Bonanza A36, prefixo PRKEK. 

Nesta terça-feira (23), a Central de Comunicação Social da Aeronáutica informou que a investigação é para estudos de prevenção de acidentes e que não tem um prazo estipulado para ser concluída. O resultado do material pode levar em média um ano e meio e depois de finalizado é disponibilizado na internet. 

Os corpos de Guilherme Coimbra Prata, 50 anos, que pilotava a aeronave e de Geraldo Ribeiro, de 53 anos foram sepultados no último sábado, em Presidente Prudente-SP. 

 

 

 

Empresário e parente morreram em queda de avião em Porto Murtinho
O produtor rural Guilherme Coimbra Prata, 50 anos, e Geraldo Ribeiro, em torno de 50 anos, morreram, na manhã de hoje, na queda de uma aeronave na re...
Produtor rural de São Paulo morreu na queda de avião em Porto Murtinho
O produtor rural Guilherme Coimbra Prata, de Presidente Prudente, em São Paulo, é uma das vítimas do acidente aéreo, que ocorreu na manhã de hoje na ...
Aeronave cai em fazenda de Porto Murtinho e pode ter matado dois
Uma aeronave caiu no município de Porto Murtinho, a 431 km de Campo Grande, nesta sexta-feira. De acordo com a assessoria de imprensa da Base Aérea d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions