A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

06/09/2011 23:37

Policial é condenado por adulterar placa de carro em Campo Grande

Vinícius Squinelo

Um policial militar de Campo Grande foi condenado à pena de três anos de reclusão e 10 dias-multa, em regime aberto, substituídos por prestação de serviços à comunidade ou entidade pública, por adulterar o sinal identificador de um carro.

Por maioria, os desembargadores da 2ª Turma Criminal negaram hoje o recurso interposto pelo policial.

Consta nos autos que o acusado foi preso em flagrante pelo crime de adulterar sinal identificador de veículo automotor. O agente de trânsito encontrou o veiculo VW Gol do apelante estacionado sem o acionamento do parquímetro, na Rua Dom Aquino, às 16h50, em fevereiro de 2007. O apelante justificou a utilização de placas frias pelo fato de estar sendo ameaçado por integrantes da facção criminosa PCC, em razão de sua condição de policial militar. Assim, pediu a reforma da sentença alegando que agiu em legítima defesa e em estado de necessidade.

Para o Des. Manoel Mendes Carli, relator do processo, a conduta do apelante em trocar as placas do veículo Gol por placas de um Chevette encontra-se tipificada no art. 311 do Código Penal, e não há que se falar em legítima defesa. “Na análise do caderno processual não se verifica a presença dos requisitos legais para a caracterização das excludentes de ilicitude do estado de necessidade e da legítima defesa, pois inexistem provas de que o apelante ou sua família estivessem recebendo ameaça de membros do PCC”, disse em seu voto.

Para o desembargador, “a omissão dos superiores hierárquicos do acusado em impedir tais práticas, a par de não beneficiar o acusado, implica, em verdade, em prática de crime de condescendência criminosa, capitulado nos arts. 320 do Código Penal e 322 do Código Penal Militar, a respeito do qual deixou de determinar providências, posto que fulminado pela prescrição da pretensão punitiva”, explica.

Desta forma, a maioria dos desembargadores que compõem a 2ª Turma Criminal entenderam que a alegação de ameaças de facção criminosa, desacompanhadas de provas concretas, são insuficientes para caracterizar as excludentes de ilicitude do estado de necessidade e da legítima defesa e mantiveram a sentença de primeiro grau.



POLICIAL NÃO TEM RAZÃO NEM QUANDO MORRE, IMAGINE ESTE QUE ESTÁ VIVO
 
jorge ferreira em 07/09/2011 08:12:47
Realmente, a justiça é para os subordinados, pois na mesma Corporação, ou seja na Polícia Militar, um oficial-superior, hoje trabalhando, na situação de convocado, assessorando, diretamente o secretário de segurança, teve o mesmo procedimento do condenado, porém em muitos veículos e, nenhum procedimento foi aberto para apuração.
O fato foi largamente divulgado pela imprensa. Que vergonha! A corporação continua sendo para o bel-prazer dos superiores.
 
josé ivan de almeida em 07/09/2011 03:59:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions