A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/09/2012 12:14

Por dinheiro para comprar droga, idosa é espancada pelo sobrinho

Paula Maciulevicius

Quem via a pequena senhora de óculos e o cabelo grisalho amarrado em um coque, ficou sensibilizado pelas marcas no rosto e nos braços

Vizinho que levou idosa à Polícia retrata aos jornalistas o que aconteceu. Ele também já foi vítima de furto do jovem, que pega o que vê para trocar por droga. (Foto: Rodrigo Pazinato) Vizinho que levou idosa à Polícia retrata aos jornalistas o que aconteceu. Ele também já foi vítima de furto do jovem, que pega o que vê para trocar por droga. (Foto: Rodrigo Pazinato)

A violência chegou ao extremo. Movido pela droga, um jovem de 26 anos espancou a tia, uma senhora que com o semblante de hoje, aparentava ter bem mais do que os 59 anos de idade.

A família não quis falar com a imprensa. A violência na rua já é triste, mas dentro de casa é ainda pior, uma tragédia. O filho diz que esse foi o ápice. Ela nunca tinha sofrido nenhuma agressão.

Quem via a pequena senhora de óculos e o cabelo grisalho amarrado em um coque, ficou sensibilizado pelas marcas no rosto e nos braços. Os olhos de tristeza e uma toalhinha ao alcance da mão enxugavam as lágrimas que caíam. Tudo uma lamentável consequência da droga.

Dependente químico, o sobrinho entrou na madrugada desta quarta-feira na casa da tia. Procurava alucinadamente por dinheiro, foi surpreendido pela idosa e o desfecho foi todo o roxo que cobria a face da mulher. Com um dos lados ainda inchado, ela pedia pelo amor de Deus para não aparecer na televisão. O motivo? Medo de sofrer novamente pelas mãos de quem viu crescer. Uma família inteira de mãos atadas para a droga e suas vítimas.

O fato se deu na Vila Jacy, em uma vila de cinco casas. Hoje pela manhã, acompanhada do filho, a idosa foi levada à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Piratininga, pelo vizinho, para registrar o caso.

O amigo viu o autor da agressão crescer. “Era amigo do meu filho, eu vi crescer, foram as amizades”, diz. Ele também foi vítima da incessante busca do jovem pelo que visse pela frente para trocar por droga. Da casa dele já foram levados aparelhos de som, celulares e videogame. Tudo trocado para sustentar o vício.

“Estavam todos dormindo, ninguém viu e nem ouviu nada”, completa.

Para a Polícia, ela relatou com sofrimento que o sobrinho chegou pedindo por dinheiro. As marcas provocadas pelos socos do sobrinho deixou até a própria polícia arrepiada.

“Ela dizia que não tinha”, disse um dos investigadores. A Polícia Militar chegou a ser acionada, mas não localizou o jovem, que fugiu deixando na própria tia as feridas de um vício.

“Acredito que ele tenha feito para castigar, porque da última vez que ele pegou, ela registrou boletim de ocorrência”, explicava o vizinho. Em uma das situações de furto, a senhora procurou a Polícia e deu queixa do sobrinho.

Com passos lentos, nem tanto pela idade, mas mais pelos ferimentos, ela iria até o Imol (Instituto Médico e Odontológico Legal) para fazer o exame de corpo de delito. Mais uma vítima e refém da droga.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


De quem e a culpa? Quem são as maiores vitimas o agressor que fere a sim mesmo por causa das drogas, ou de quem e agredido, que indiretamente também e ferem da droga?
Se tivéssemos programas que atende-se as crianças adolescentes e jovens enquanto as mães trabalham e não podem vigia-los seria menor o índice de jovens envolvidos com drogas?
Não sabemos, e não sabemos porque não temos programas sociais realmente comprometidos e solucionar esse problema que vem devastando nossa geração.
Por que não temos clinicas mantidas pelo governo para tratar dependentes químicos, não o nosso lar. Clinica no padrão da Clinica da alma, Casa do garoto que são manditas por doações e a duras pena porque não dão conta de receber todos os jovens para os quais as mães procuram ajuda.
Seria fácil criticar esse ou demais jovens que cometem tal ato, difícil e para um minuto e conversar com eles para saber o por que.
 
Maria Madalena Alves em 05/09/2012 12:52:00
E Tem intelectuais que apoiam a liberação das drogas. Diga não a liberação.
 
Admilson de Oliveira em 05/09/2012 12:42:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions