A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

28/09/2011 08:39

Prefeitura faz vistoria para definir reabertura de escola onde 180 passaram mal

Aline dos Santos e Francisco Júnior

O trabalho será feito por equipes da Sesau e da Vigilância Sanitária

Escola está fechada depois de crianças serem hospitalizadas. (Foto: Simão Nogueira)Escola está fechada depois de crianças serem hospitalizadas. (Foto: Simão Nogueira)

Depois de 180 crianças serem hospitalizadas ontem com sintomas de intoxicação, a escola municipal de tempo integral Iracema Maria Vicente, no bairro Rita Vieira, vai passar por uma varredura nesta quarta-feira.

De acordo com o secretário de Governo, Rodrigo Aquino, será feita uma vistoria minuciosa para saber se a escola poderá reabrir amanhã. O trabalho vai ser realizado por equipes da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) e da Vigilância Sanitária.

Ontem, após almoçarem arroz, feijão, salada de repolho com tomate, farofa de ovo e salsicha, os alunos começaram a passar mal, com vômito, dor de cabeça e diarréia. Socorridas pelos Bombeiros e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), os alunos foram levados para postos de saúde e hospitais de Campo Grande.

Hoje, 12 crianças permanecem internadas, sendo sete no HU (Hospital Universitário) e cinco no HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian. Conforme Aquino, a prefeitura mantém assistente social e um representante da escola em cada hospital. Ainda não foi esclarecido o que provocou o problema.

Quatro hipóteses foram cogitadas: intoxicação alimentar, contaminação da água, sabotagem e virose. Segundo Aquino, ontem foram servidas merenda para 100 mil alunos. “Muitos comeram do mesmo lote servido nessa escola. Mas só aqui teve o problema”.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Leandro Mazina Martins, as pessoas que manipularam os alimentos passaram por exame médico. Ouvidas por técnicos da Vigilância Sanitária, as merendeiras relataram que não houve nenhuma alteração no manuseio dos alimentos. Amostras da comida foram encaminhadas ao Lacen (Laboratório Central) para exame bacteriológico. O resultado sai em até 30 dias.

Alunos começaram a passar mal depois do almoço. (Foto: Simão Nogueira)Alunos começaram a passar mal depois do almoço. (Foto: Simão Nogueira)

Suspeitos – A água também vai passar por análise bacteriológica. Ontem, a Águas Guariroba fez exame químico, que não apontou nenhuma alteração no líquido. Um detalhe que chama a atenção é o fato da caixa de água que abastece a escola está semiaberta. Já um surto de virose foi descartado pelo secretário de Saúde, pelo fato de nem toda as crianças terem passado mal.

Sobre a suspeita de contaminação intencional, uma sabotagem, foi registrada boletim de ocorrência ontem na Depac/Centro (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) para investigar crime de “falsificação, corrupção, adulteração de substância ou produtos alimentícios”.

Na escola Iracema Maria Vicente, estudam 557 alunos, de 6 a 11 anos, em tempo integral.



Isso não esta acontecendo só nesta escola não varias pessoas estão dizendo que em outras escolas também serve essa tal salsicha...o pais da agricultura e o que é fornecido para as crianças é só salsicha com ovo.....até alimentação delas em casa casa e melhor do que isso..falta de fiscalização nao culpo cozinheiras não pois a corda so rebenta para o mais fraco..sera que ela não seguia um cardápio?
 
jorge leandro da silva em 28/09/2011 11:55:31
..... Quando é pra fazer politica encima da escola todo mundo aparece agora que esta sendo questionada a competência da gestora e demais profissionais, inclusive a prefeitura , ninguém aparece para assumir a "cagada". Deste jeito a educação no país nunca será levada a sério mesmo, os próprios profissionais dando exemplo de irresponsabilidade. Como cobrar algo dos alunos? Essa é nossa educação.
 
Henrique Alfonso em 28/09/2011 09:39:38
Todo e qualquer cidadão, que constate má qualidade de um produto fornecido por órgão público ou privado, pode denunciar qualquer irregularidade à Ouvidoria da Sesau tel 3314-9955.
 
Lúcio Silva em 28/09/2011 03:16:06
Vamos fiscalizar e realizar preventivas principalmente nas Creches e Escolas. Isso não poderia acontecer em uma Capital que se dizem modelo ao Brasil.
 
Robeson Oliveira em 28/09/2011 01:15:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions