ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Prefeitura propõe aumento salarial para médicos no 2º semestre

Michel Faustino | 27/05/2015 17:18
Presidente do sindicato dos médicos disse que proposta será avaliada e pode por fim a greve. (Foto: Campo Grande News)
Presidente do sindicato dos médicos disse que proposta será avaliada e pode por fim a greve. (Foto: Campo Grande News)

A Prefeitura de Campo Grande encaminhou na tarde desta quarta-feira (27), nova proposta aos médicos que atuam na rede municipal de saúde afim de chegar a um acordo e por fim na greve, que já dura 13 dias. Entre outros pontos, a proposta prevê concessão de reajuste salarial para o segundo semestre deste ano, além do retorno das gratificações.

Segundo o presidente do Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul), Valdir Shigueiro Siroma, a proposta será analisada em assembleia que acontece na noite de hoje. De acordo com o sindicalista, ontem, a categoria havia rejeitada proposta da prefeitura, justamente por não haver uma previsão quanto ao reajuste.

“Vamos analisar esta proposta junto com a categoria, mas penso ser positiva por conta desse compromisso da categoria receber o reajuste salarial, além das outras coisas que nos foram tiradas”, disse.

Além do reajuste, a proposta prevê: o retorno pleno de todas as gratificações médicas, a partir do dia 1º de junho de 2015, com pagamento até o 5º dia útil de julho, com a folha de junho; pagamento dos atrasados das gratificações em seis (06) parcelas, a partir de julho; abono dos dias parados, com pagamento das gratificações e produtividades, baseadas em média dos meses fevereiro, março e abril; cancelamento do processo e multa; envio de projeto de lei transformando a referência do médico de 15 para 17.

Greve continua - Enquanto isso, somente 30% dos médicos estão atendendo nas UPA's (Unidades de Pronto Atendimento) e CRS's (Centros Regionais de Saúde). A greve tem adesão de 100% da categoria, segundo o Sinmed-MS.

Nos siga no Google Notícias