ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Promotor lista "vínculos cabais" entre os réus e afirma: "indício é prova sim"

Interceptações telefônicas, extratos bancários e testemunho foram usados para mostrar conexão entre réus

Silvia Frias | 19/07/2023 18:32
Promotor Moisés Casarotto lista o que considera "vínculos cabais" entre os réus (Foto: Henrique Kawaminami)
Promotor Moisés Casarotto lista o que considera "vínculos cabais" entre os réus (Foto: Henrique Kawaminami)

A promotoria elencou 11 motivos considerados “vínculos totais, cabais e robustos” que ligam Jamil Name, Vladenilson Daniel Olmedo e Marcelo Rios à execução do estudante Matheus Coutinho. Também rebateu a tese da defesa deles, dizendo que conjunto de indícios também pode ser considerado evidência suficiente para condenação.

O julgamento entra na reta final, com a fase da réplica dos promotores, após argumentação da defesa dos réus. O promotor Moisés Casarotto voltou a dar como exemplo o caso do “patrão que quer matar a mulher” e contrata intermediário, que irá atrás dos pistoleiros. Nesta pirâmide, o mandante não precisa estar presente, nem conhecer os executores, afirmou.

O promotor disse que o fato de a arma do crime não ter sido encontrada não significa que não há indícios. Citou o artigo 16 do Estatuto do Desarmamento, que prevê a punição da ocultação da arma, com pena de três a seis anos e multa.

Com o tempo correndo, elencou 11 motivos do que seriam os vínculos de Name com os outros réus e “na cabeça piramidal”.

O promotor falou do crime de extorsão, quando o antigo dono da casa do Bairro Monte Líbano foi obrigado a vender o imóvel. Foi lá que a força-tarefa encontrou o arsenal, em maio de 2019. Nas ameaças, citou Jamilzinho, Juanil Miranda Lima e Vladensilon Olmedo. O empresário José Carlos Oliveira diz que teve que entregar cheques em branco e um deles foi sacado por Olmedo.

A acusação diz que Marcelo Rios e José Moreira Freixes, o “Zezinho”, já se conheciam antes da data mencionada pelo réu. Relatou depósitos entre eles de 2016, antes do período citado pelo réu. Lembrou que a advogada Laura Cândia confirmou que Zezinho conhecia o grupo.

Também citou o depoimento da filha de Juanil Miranda Lima, que filmou a casa de Paulo Roberto Teixeira Xavier um mês antes da execução. Quando a jovem soube da morte de Matheus Coutinho e viu o local nos noticiários, fez a conexão dos fatos. Ela também diz que Lima trabalhava para os Name.

O outro vínculo citado é o fato de PX ter sido chamado por Olmedo, no dia seguinte da morte do filho, para ir até a casa dos Name. Lá, recebeu R$ 10 mil e a orientação de ir embora de Campo Grande, sem falar com a polícia, mas que informasse o paradeiro. Casarotto diz que essa estratégia seria para terminar o serviço em outro local, longe da cidade.

A lista ainda tem a conversa entre Marcelo Rios e Vladenilson Olmedo no dia 18 de maio de 2019, um dia antes da força-tarefa encontrar o arsenal. Na interceptação telefônica, consta que tratavam da hora da devolução das armas. Depois, há outra conversa, quando o flagrante já havia ocorrido.

O promotor elenca também o pagamento do que chama de propina a Eliane Benitez Batalha dos Santos, mulher de Marcelo Rios. A entrega do dinheiro, segundo ele, é feita por Olmedo. Também diz que ela foi cooptada a colaborar com a organização.

A movimentação bancária na conta de Olmedo, incompatível com a renda mensal de R$ 5 mil, também entrou na lista de indícios. Em um dos extratos anexados ao processo, consta movimentação, em abril de 2019, que chega a R$ 144,6 mil. Uma delas, via internet, tem depósito de R$ 40 mil.

Casarotto cita outra interceptação telefônica, em que o interlocutor cita que foi ameaçado pelos Name e até a esposa perdeu o filho, a ficar sob a mira de arma. A pessoa diz que, caso ajude Jamil Name, “Vão acabar, vão eliminar com minha família?”.

Indícios – A inexistência de provas, base da defesa dos três réus foi rechaçada pelo promotor. Ele voltou a afirmar que o processo juntou provas que demonstram a participação deles na execução, que teria como alvo inicial o pai do estudante.

Mas, mesmo se não tivesse as provas, segundo promotor, somente os indícios seriam suficientes. Casarotto recorreu a decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) para sustentar a tese. “(...) existência de vários indícios torna possível formar um quadro de segurança compatível com o almejado com a verdade real, fundamentando uma condenação ou mesmo uma absolvição.”

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias