A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

20/07/2012 20:16

Polícia investiga quadrilha suspeita de golpes de R$ 300 mil no comércio

Nyelder Rodrigues e Mariana Lopes
Walter e Walquiria são acusados de comandar quadrilha junto a outras seis pessoas. Eles são investigados pela 6ª DP (Foto: Rodrigo Pazinato)Walter e Walquiria são acusados de comandar quadrilha junto a outras seis pessoas. Eles são investigados pela 6ª DP (Foto: Rodrigo Pazinato)

A Polícia Civil de Campo Grande investiga uma quadrilha de estelionatários que usa empresas de fachada para aplicar golpes no comércio de Campo Grande. O caso é investigado pela 6ª Delegacia de Polícia (DP), no bairro Tijuca.

A estimativa é que a quadrilha já tenha faturado no mínimo R$ 300 mil no comércio de Campo Grande. O primeiro registro policial de vítima da quadrilha é de novembro de 2011.

A quadrilha, conforme a polícia, é comandada pelo casal Walquiria Farina Oliveira, de 34 anos, e Walter Silva Paes, de 25 anos, e conta também com o envolvimento de outras seis pessoas, além de 10 que já podem ter se beneficiado com os golpes.

O esquema da quadrilha é realizado através do uso de empresas inativas, que tem a razão social mudada, para conseguir crédito no comércio da Capital. Eles também aplicam golpes se fazendo passar por servidores públicos. Até agora, 10 vítimas já foram identificadas.

Golpe - De acordo com o delegado da 6ª DP, Valmir Moura Fé, o último golpe aplicado pela quadrilha foi contra um borracheiro na Vila Ipiranga. Um dos integrantes da quadrilha foi à borracharia se apresentando como funcionário da Receita Federal.

O golpista dizia que a entidade tinha feito uma apreensão de 300 pneus contrabandeados, e que eles estavam sendo vendidos por R$ 50 a unidade, totalizando a quantia de R$ 15 mil pelo total da falsa apreensão.

A vítima do golpe se interessou pelo negócio e foi junto do estelionatário retirar o dinheiro e depois buscar o produto. O local onde estariam os pneus era o depósito de um supermercado no Centro de Campo Grande.

Já no local indicado como depósito dos pneus, os dois se encontraram com Walquiria, que também se apresentou, com documentos timbrados, como servidora da Receita Federal. Ela dizia que faltava apenas a assinatura de outro funcionário, que estava na Clínica Campo Grande.

Do depósito, eles foram até a Clínica Campo Grande, onde o suposto funcionário apareceu pediu para ele esperar um instante e entrou dentro da clínica. Porém, o golpista saiu pela porta dos fundos, levando consigo o dinheiro.

Moura Fé também conta que a estimativa é que a quadrilha já tenha faturado no mínimo R$ 300 mil no comércio de Campo Grande. O primeiro registro policial de vítima da quadrilha é de novembro de 2011.

Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


a empresa de
fachada chama -se weiller com.de gaz tbem fui engando por esses dois
 
joão batista marcondes junior em 23/07/2012 08:43:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions