A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/06/2011 13:56

Relacionamento secreto e falta de provas dificultam conclusão do caso Marielly

Paula Vitorino

Conversas pelo computador e telefone revelam que relacionamento amoroso era um segredo. A Polícia está atrás de provas concretas para chegar até o autor

Delegado afirma que caso não ficará sem solução, mas precisa de provas contra autor. (Foto: Marcelo Victor)Delegado afirma que caso não ficará sem solução, mas precisa de provas contra autor. (Foto: Marcelo Victor)

Mesmo após o acesso da Polícia Civil aos telefonemas particulares, do trabalho e também de conversas pelo computador da jovem Marielly Barbosa, o delegado Fabiano Nagata, responsável pelo caso, afirma que poucos indícios foram encontrados para provar a autoria do assassinato da garota de 19 anos, encontrada morta em um canavial no dia 11 de junho.

O delegado acredita que a garota tinha envolvimento mantido em completo sigilo com homem que a teria engravidado. O segredo aumenta a suspeita de que o relacionamento tinha algo de “proibido” e que tudo era feito para não deixar rastros ou ser exposto aos familiares e amigos.

“Ela sabia que era algo que não podia ser revelado. Se outras pessoas viessem a descobrir, seria um boom para todos”, acrescenta o delegado.

Agora, de acordo com Nagata, o desafio é encontrar provas para revelar quem é o pai da criança e, ainda, se ele foi o autor e contou com ajuda de outras pessoas para o crime – possibilidade mais aceita pela investigação.

“Estamos com o leque aberto de suspeitos. Pode ser qualquer um, às vezes uma pessoa que até agora nem citamos e por isso precisamos de informações e provas, sejam testemunhais ou técnicas. Indícios já temos, mas não podemos fazer nada até provar o envolvimento”, explica.

Nagata afirma que o caso Marielly não ficará sem uma solução. Mas para isso, a investigação depende de informações relevantes e está focada nisso. Ainda de acordo com o delegado, medidas judiciais, como quebra de sigilo telefônico e depoimentos são fundamentais para “montar o quebra-cabeça”.

“Pode ser que hoje, amanhã, a qualquer hora apareça alguma coisa relevante que sirva para fechar esse quebra-cabeça”, diz.

Ainda segundo o delegado, amigos e pessoas próximas podem saber de mais detalhes sobre o crime, mas estão calados por medo diante da repercussão do caso na imprensa.

No entanto, Nagata garante que ainda não irá decretar a prisão preventiva de nenhum suspeito, nem tem datas para colher novos depoimentos de testemunhas.

A família de Marielly deve voltar de Alto Taquari – MT ainda nesta semana, mas não foi intimada para prestar novos depoimentos.

Jovem provavelmente foi vítima de aborto malsucedido. Jovem provavelmente foi vítima de aborto malsucedido.

O que aconteceu? - A partir do laudo e das informações colhidas pela investigação até o momento, o delegado acredita que o crime realmente iniciou com uma tentativa de aborto, mas que acabou tendo complicações e resultou na morte de Marielly.

Ela estava grávida desde ao menos fevereiro e a perícia no corpo constatou que não havia nenhuma lesão, perfuração ou sinais de luta, que indicassem alguma violência antes da morte. O estado do corpo e as roupas com sangue indicam que ela sofreu hemorragia. A jovem estava vestida com trajes típicos de quem faz uma cirurgia.

“A pessoa provavelmente se apavorou quando percebeu as complicações e quis se livrar do corpo”, diz.

Para Nagata, o crime não foi planejado e o autor não tinha a intenção de matar. O local onde o corpo foi jogado – em um canavial em Sidrolândia, próximo a estrada, e a posição do corpo indicam isso.

O fato do autor não ter tentado prestar socorro também pode ser um indicio de que tudo aconteceu em segredo.

“Quando a pessoa faz algo de errado, como procurar uma clínica clandestina, automaticamente fica com medo de procurar ajuda depois”, diz.

Suspeitas - O cunhado da jovem, Hugleice Rodrigues, é tido como o principal suspeito pela investigação. A quebra do sigilo telefônico da jovem revelou diversas ligações entre os dois e o local onde o corpo foi encontrado é conhecido de Hugleice, que trabalha na região.

No entanto, o delegado pontua que as ligações podem ser apenas um reflexo da ligação familiar entre os dois, já que o cunhado mora no apartamento acima da jovem e frequentemente participava de almoços e eventos familiares. Já o local do crime pode se tratar apenas de uma coincidência.

“Como é alguém da família, o caso fica ainda mais delicado. Não podemos afirmar nada no momento, até que haja provas ou mais indícios de que o cunhado mantivesse um relacionamento amoroso com ela”, diz.

Ainda segundo Nagata, a investigação aponta que Hugleice não viajou no dia em que Marielly desapareceu – 21 de maio. Mas os policiais ainda apuram se ele estava em Campo Grande nos dias seguintes.

De acordo com a perícia feita no corpo, Marielly foi deixada morta no canavial dias após seu desaparecimento.

“Mas às vezes ele era o pai da criança, mas não a levou para fazer o aborto, outra pessoa foi acompanhando. Como pode não ter sido nada disso”, acrescenta.

Solução - Nagata ainda reafirma que o trabalho da Polícia Civil não está focado em mapear as clínicas de aborto em Sidrolândia, sob a justificativa de não desperdiçar o empenho das equipes de investigação.

O foco dos investigadores é chegar até o autor e só a partir daí localizar a clínica específica, como também outros participantes do crime.

“Não vamos ficar procurando clínica às escuras. Se fizermos isso o foco da investigação vai mudar para a punição desses locais clandestinos. Precisamos achar o pai da crianças e, com isso, ter indícios sobre qual foi a clínica utilizada”, afirma.



JA QUEBRARAM O SIGILO TELEFONICO DO CELULAR DELA? E DOS SUSPEITOS? E DA AMIGAS DELA? COM CERTEZA AS INVESTIGAÇÕES AVANÇARÃO COM ISSO.
 
LUCIANO MARQUES em 28/06/2011 09:20:38
O assasino já sei quem é.
É o mesmo do ESCARAMUÇA, e o mesmo do Vereador de Alcinópolis, e o mesmo dos jovens do Caso MOTEL
Vão por mim.
 
Orlando Lero em 28/06/2011 09:13:37
Se formos olhar o passado de incompetencia de nossa policia, quando o assunto é conclusão de inquerito, este com certeza será mais um caso sem soluçao.
É só relembrarmos o caso Motel, o caso Tatuador, a morte do Vereador de Alcinópois e por aí vai, onde ninguem foi preso até hoje.
 
Reinaldo Sandim em 28/06/2011 05:47:35
O mais intrigante nesse caso é a degola. Parece que a garota foi levada ao local, porém, apresentou sinais de vida e então garantiram a morte. A posição do corpo também pode indicar a tentativa de retirar quanquer chance de identificação do feto e, consequentemente, do suposto pai.
 
Wilson Oscar em 27/06/2011 10:29:23
Comentei estes dias sobre esta hipótese, que teria sido a morte uma aborto mal sucessido. Agora, para o colega Antônio Borges, como poderia fazer DNA de placenta se ela teria feito o aborto e provavelmente nada teria mais, a não se o útero? E ela não foi só para fazer o aborto, alguém a acompanhou e tm muita coisa escondida.
 
cleidiane mendes em 27/06/2011 07:41:11
Acredito na policia, com certeza eles ja tem um suspeito....só falta prova, me parece meio obvio o envolvimento de algum familiar....pois se fosse gente estranha nao teria tanto segredo assim, ate no dia do sumiço da garota se fosse um estranho que a tivesse levado alguem com certeza teria visto, por que nao seria tao natural como alguem que ela conhecesse!!!!e outra relacionamento secreto das 2 uma ou é cara casado ou é homosexual, como ela estava gravida o cabra só pode ser "casado".....Uma moça tão bonita, não precisava disso...é lamentável!!
 
Elisa Zocal em 27/06/2011 05:43:20
Huuumm!!! Tá me parecendo que o delegado jogou a toalha! Com o processo nas mãos, informações importantes,investido de autoridade policial e dr.Nagata não consegue resolver o misterio? Será o temor de que uma rede de clinica de aborto seja descoberta?
 
samuel gomes-campo grande em 27/06/2011 04:43:07
Mais um caso que a nossa policia civil não resolve. Passa para a POLICIA FEDERAL.
 
Souza Alexandre em 27/06/2011 03:44:12
Porque a Perícia não coletou material do útero do cadáver para fazer DNA? Se ela estivesse grávida, poderia ser determinado o perfil genético da placenta, que é o mesmo do feto, e assim verificar se o cunhado é ou não o pai da criança...
 
Antônio Borges em 27/06/2011 03:40:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions