A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

06/02/2014 10:49

Secretaria de Saúde alerta médicos para risco da Febre Maculosa em MS

Aliny Mary Dias
Capivaras é um dos roedores hospedeiros da doença (Foto: Arquivo)Capivaras é um dos roedores hospedeiros da doença (Foto: Arquivo)

Com um caso registrado no ano passado em Dois Irmãos do Buriti, distante 83 quilômetros da Capital, a Febre Maculosa foi assunto de um alerta divulgado esta semana pela SES (Secretaria de Estado de Saúde). Conforme o documento, uma das formas de contágio é o contato com o carrapato que se hospeda em um animal infectado como a capivara, por exemplo.

Paulo Mira Batista é coordenador de zoonozes da secretaria e explica que o alerta tem o objetivo de chegar até a sociedade médica, já que identificar a doença é tarefa complicada em razão dos sintomas serem parecidos com os de outras doenças.

De acordo com o documento, a bactéria causadora da doença é a Rickettsia rickessi que infectos animais novos. Roedores como a capivara e os gambás são hospedeiros mais frequentes da Febre Maculosa. A alta taxa de morte, entre 40% e 80% dos humanos infectados, é um fator que leva a doença a ser considerada grave.

Batista conta que o contágio humano não é simples, o carrapato precisa picar o animal infectado e depois picar o homem. Para que a bactéria seja transmitida para o ser humano, o tempo de contato do parasita com o corpo deve ser superior a 4 horas.

“Nós temos um risco baixo de transmissão porque em Campo Grande só foi encontrado um carrapato infectado, não existem casos de humanos aqui. O único caso do ano passado foi em Dois Irmãos do Buriti”, diz.

Apesar da grande população de capivaras na Capital, a secretaria afirma que não há risco de epidemia na cidade, mas que os médicos precisam ficar atentos aos sintomas. Entre eles estão febres repentinas, cefaléia, dor muscular e a picada do carrapato.

Doença infectou um sul-mato-grossense ano passado (Arte: Fernando Ricardo Ientzsch)Doença infectou um sul-mato-grossense ano passado (Arte: Fernando Ricardo Ientzsch)

A dificuldade de diagnóstico da doença é amenizada pela facilidade em tratá-la. Geralmente são usados antibióticos que existem no país, mas em casos mais graves o paciente precisa ficar internado. O tempo médio para a cura é de 7 dias.

Números – Em todo o país, de acordo com a nota técnica da secretaria que apresenta dados do Ministério da Saúde, foram confirmados 131 casos de Febre Maculosa em 2012. A taxa de letalidade ficou em 40%.

No ano passado, o número caiu para 67 casos e 25 pessoas morreram. Apesar de o último caso de Mato Grosso do Sul ter sido registrado em Dois Irmãos do Buriti, a primeira vez que a doença apareceu no Estado um campo-grandense foi infectado.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


Mesmo não havendo risco de epidemia de Febre Maculosa na capital me parece prudente informar a população que o carrapato infectado transita da capivara ao homem, principalmente através dos cães. "Onde tem capivara, cachorro não entra".

Saudações
 
MARCO GARCIA em 06/02/2014 14:48:41
Por falar nisso, não seria bom efetuar o controle desses animais em CG? Dia destes, contei mais de cem animais no Parque das Nações Indígenas, e ao que parece alí não existe predador natural destes animais, e como eles se reproduzem muito rápido, logo teremos uma super população.
 
Valter Oliveira em 06/02/2014 12:03:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions