A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

19/08/2014 16:07

Servidor e família são condenados a prisão por roubar R$ 558 mil do TJ

Filipe Prado
Servidor usou acesso à conta do Poder Judiciário para desviar dinheiro (Foto: Marcelo Victor)Servidor usou acesso à conta do Poder Judiciário para desviar dinheiro (Foto: Marcelo Victor)

O funcionário público Alex Armoa Teixeira, 33 anos, foi condenado a oito anos de prisão, em regime fechado, por formação de quadrilha e desvio de dinheiro. O juiz da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, Marcelo Ivo de Oliveira, também condenou a mãe, o pai e o cunhado do técnico do Poder Judiciário pelo desvio de R$ 558 mil.

Conforme a sentença, de 15 deste mês, a quadrilha era composta pelos pais do funcionário, o policial civil aposentado Amaury Teixeira e Maria de Fátima Armoa Teixeira, e o cunhado, Adriano Campoçano.

Conforme a investigação, Teixeira utilizava os nomes dos pais e do cunhado para desviar recursos destinados para o pagamento de juízes leigos e conciliadores. Ele tinha acesso ao sistema de controle da conta do Poder Judiciário.

Durante a investigação, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) descobriu também que o servidor usou o nome de um advogado, que atuava como juiz leigo, morto em 2002 para promover os desvios. O dinheiro foi desviado entre 2002 e 2007.

Segundo a sentença, Teixeira foi condenado há oito anos e dois meses de prisão, além de pagamento de 200 dias-multa, somando R$ 4.826,66. Ele também foi exonerado do cargo no Tribunal de Justiça e terá de ressarcir o valor desviado, que totalizou R$ 558.170,60.

O juiz Marcelo Ivo de Oliveira decretou o perdimento dos bens móveis e imóveis apreendidos nos autos de ação cautelar, por que foram adquiridos pelos acusados com o dinheiro do crime.

Em sua defesa, Teixeira afirmou que não havia provas suficientes para sua condenação, pediu a absolvição do caso, assim como dos parentes. Porém o juiz julgou procedente as acusações de peculato culposo, ou seja, desvio de dinheiro público por um funcionário.

Os pais e cunhado do funcionário público foram condenados a cinco anos de prisão, em regime semiaberto, mais o pagamento de R$ 2.413,33.

Os mandados de prisão foram expedidos no dia 15 de agosto deste ano.

Operação - O Gaeco concluiu em 2009 a investigação sobre o desvio de aproximadamente R$ 500 mil do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Teixeira foi apontado como líder de organização criminosa junto com o pai, a mãe e o cunhado. Os quatro foram indiciados por formação de quadrilha e peculato.

Nas residências dos suspeitos na Capital e no interior, foram apreendidos computadores, documentos e veículos.

Servidor acusado de desvio do TJ tem demissão mantida
O TJ (Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul rejeitou o recurso administrativo apresentado pelo ex-servidor Alex Armoa Teixeira, de 33 anos, cont...
Servidor é acusado de desviar cerca de R$ 500 mil do TJ
O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) está concluindo a investigação sobre o desvio de aproximadamente R$ 500 mil do TJ/...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions