ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  26    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Síndica é agredida por usuários de drogas após reprimir consumo em condomínio

Um dos usuários afirmou que pegaria revólver para matar a vítima e fugiu antes da chegada da PM

Por Dayene Paz e Bruna Marques | 28/01/2022 08:31
Mulher procurou a Deam depois de ser ameaçada. (Foto: Henrique Kawaminami)
Mulher procurou a Deam depois de ser ameaçada. (Foto: Henrique Kawaminami)

Mulher de 29 anos foi agredida na noite desta quinta-feira (27), dentro de um condomínio na Avenida Dr. Nashi Siufi, no Jardim Tijuca, em Campo Grande. Os suspeitos são usuários de drogas, que agiram depois de serem reprimidos de usar entorpecentes no local.

De acordo com as informações do boletim de ocorrência, os moradores solicitaram medidas da síndica, por não mais suportarem mais os suspeitos usarem drogas no condomínio. Então, por volta das 20 horas de ontem, a mulher desceu até o pátio, quando flagrou duas mulheres, de 22 e 31 anos, e um homem de 23, fazendo uso de drogas. No local ainda havia um bebê de um ano.

A vítima então informou que eles não poderiam usar drogas naquele local. Houve discussão e uma das usuárias agrediu a síndica. A vítima então subiu para o apartamento e ligou para o responsável pelo imóvel, alertando que ele teria problema com os inquilinos.

Em seguida, dois suspeitos foram até o apartamento da síndica e passaram a xingá-la. Ela bateu a porta e os mandou embora. Após alguns minutos, ela desceu no pátio para fazer as tarefas de síndica, quando foi surpreendida por uma das mulheres, que passou a desferir chutes, tapas e puxões de cabelo. O homem também começou a participar das agressões com socos e chutes, afirmando que estava com uma faca e iria furar a vítima.

Os autores foram contidos por moradores, que acionaram a Polícia Militar. No entanto, fugiram antes da chegada dos militares, fazendo ameaças de morte à mulher.

O caso foi registrado na delegacia e a síndica pediu abrigo na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), pois afirmou estar com medo dos suspeitos. O caso será apurado pela 6ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias