A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/09/2015 11:37

Só professor vai a ato e PM impede despejo de lixo na casa de Amorim

Antonio Marques e Michel Faustino
O professor Ascânio Bottini foi impedido pela PM de deixar dois sacos de lixo em frente da casa de João Amorim (Foto: Marcos Ermínio)O professor Ascânio Bottini foi impedido pela PM de deixar dois sacos de lixo em frente da casa de João Amorim (Foto: Marcos Ermínio)
Idealizador do manifesto para levar o lixo para frente da casa do empresário João Amorim, o professor Ascânio Bottini foi o único participante (Foto: Marcos Ermínio) Idealizador do manifesto para levar o lixo para frente da casa do empresário João Amorim, o professor Ascânio Bottini foi o único participante (Foto: Marcos Ermínio)

O único a aparecer para jogar lixo na frente da casa do empresário João Amorim, o professor Ascânio Bottini, 56 anos, foi impedido pela Polícia Militar de deixar dois sacos de lixo no local sob a alegação de ser detido e autuado por crime ambiental.

João Amorim é investigado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e pela Polícia Federal nas operações, respectivamente, Coffee Break e Lama Asfáltica, e sogro do proprietário da CG Solurb, Luciano Dolzan, empresa responsável pela coleta do lixo na Capital.

Indignado com a sujeira que toma conta da cidade, o professor organizou o protesto pelo Facebook marcado para às 10h30 deste sábado e chegou a ter a confirmação de mais de 70 pessoas. Ao descer do carro com dois sacos lixo e deixá-los na frente da casa do empresário, Ascânio foi abordado por uma viatura da PM, que fazia a vigilância desde o início da manhã na esquina das ruas Antonio Oliveira Lima com a José Mariano, no bairro Vendas.

Os policiais solicitaram que o professor recolhesse o lixo de volta para o carro para evitar que fosse detido e autuado por crime ambiental. Ascânio obedeceu a polícia e ainda permaneu no local por mais uns 20 minutos aguardando que outras pessoas pudessem chegar, o que não aconteceu até por volta das 11h.

Enquanto a equipe do Campo Grande News permaneceu no local, junto com outros cinco veículos de imprensa, a Polícia Militar enviou mais duas viaturas para vigiar a casa do empresário, inclusive um carro do Grupo Tático, que atua em ações de distúrbios e conflitos, parou na rua e saiu após verificar o fracasso do protesto.

Ao serem questionados sobre a presença da polícia no local, um dos PMs, chegou a falar que foram solicitados para evitar possível invasão de domicílio. Duas viaturas permaneceram na proximidade da casa do empresário após o manifestante ter ido embora.

Ascânio Bottini, que chegou a levar uma garrafa de café para oferecer aos manifestantes, disse não sentir-se frustado diante da falta de pessoas no manifesto, considerando as condições do tempo ruim nesta manhã, com o frio e possibilidade de chuva. “Mas valeu a participação para manifestar minha indignação diante dos desmandos e frustação no cenário político em Campo Grande”, declarou.

O Campo Grande News procurou o proprietário na casa, mas foi atendendido por uma funcionária que informou que João Amorim não estava e ninguém poderia atender a equipe.

Polícia Militar faz vigilância em frente a casa do empresário João Amorim para evitar que manifestantes depositassem lixo no local (Foto: Marcos Ermínio)Polícia Militar faz vigilância em frente a casa do empresário João Amorim para evitar que manifestantes depositassem lixo no local (Foto: Marcos Ermínio)


O estatuto da PMMS não permite que os Policiais façam segurança particular.
Pasmem Sr Governador não cobrar da PM postura e não permitir proteção ao bandido.
 
Lucatop em 13/09/2015 20:51:36
Num dia desses precisei ligar para policia e fiquei esperando um tempão para ser atendido no 190, fiquei frustado, mas no fundo soube que se tivesse milhões e estivesse sendo investigado nessa podridão de corrupção que está Campo Grande, saberia que o meu numero, nem precisaria tocar na policia, porque já teria varias viaturas na porta da minha casa!!!!
 
jteofs em 12/09/2015 19:35:04
Crime ambiental é o que o dono da Solurb está fazendo por toda a cidade e ninguém foi autuá-lo por esse crime. E se tenho o lixo colocado em frente à minha casa, serei autuada também?O dono da Solurb não é o responsável pela empresa contratada pela prefeitura para retirar o lixo?
 
angela maria silva em 12/09/2015 17:11:30
Que eficiente é nossa polícia! Sempre atentos e prontos para defender os direitos dos cidadãos (que tem o poder e o dinheiro), e tudo devem à "Justiça". Devem estar muito satisfeitos com os próprios salários e as condições de trabalho. Eu particularmente sinto "vergonha" de ver tantos desmandos e injustiça praticados no dia a dia, onde os verdadeiros injustiçados ficam desamparados e a mercê dos bandidos. Os que podem (tem dinheiro), sapateiam em cima dos menos favorecidos e ainda riem de tudo. Malditos, hão de pagar seus pecados, pois DEUS não falha e o dia do juízo desses abutres não tardará....
 
Sentinela em 12/09/2015 14:06:48
EU QUERO TAMBEM ESSES POLICIAIS GUARDANDO MINHA CASA. PODEM VIR QUALQUER HORA. E EU NAO SOU INVESTIGADO HEIM. QUE ABSURDO. BANDIDO AGORA TEM PROTEÇÃO POLICIAL E NÓS QUE PAGAMOS OS SALARIOS DELES, FICAMOS A DISPOSIÇÃO DOS BANDIDOS. QUANDO PRECISAMOS DE UM POLICIAL, TEMOS QUE AGUARDAR HORAS. É MESMO UM ABSURDO E A POPULAÇÃO PRECISA MESMO PROTESTAR. CRIME AMBIENTAL DE COLOCAR SACOS DE LIXO NA CALÇADA? ENTAO TERÃO QUE DENUNCIAR, PRENDER, FAZER ISSO PRA TODA POPULAÇÃO. ISSO CHAMA COAÇÃO E ABUSO DE PODER.
 
LUCIANO MARQUES em 12/09/2015 12:25:59
Deveriam jogar na prefeitura pois é a única responsável por essa bagunça que se tornou Campo Grande
 
PAULO em 12/09/2015 12:13:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions