ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Sumido desde fuga escandalosa, Palermo ganha mais um processo por lavagem

Há 30 anos, Palermo também era foragido e estampava 50 mil cartazes de “procura-se”

Aline dos Santos | 04/08/2021 11:26
Trinta anos atrás, PF também estava à procura de Gerson Palermo, como mostra cartaz da época. (Foto: Reprodução)
Trinta anos atrás, PF também estava à procura de Gerson Palermo, como mostra cartaz da época. (Foto: Reprodução)

Condenado a 100 anos de prisão e protagonista de fuga escandalosa, Gerson Palermo, 64 anos, segue réu em mais uma ação na Justiça Federal. Desta vez, por lavagem de dinheiro.

A ordem para prosseguir com a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) é do juiz da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Bruno Cezar da Cunha Teixeira.

Datada de segunda-feira (dia 2), a decisão detalha que Palermo - que também leva os apelidos de “Pigmeu”, “Italiano” e “Charles” –, e a esposa Silvana Melo Sanches ocultaram propriedade de veículo Toyota Corolla e usaram conta bancária de terceiros para dissimular a origem ilícita do dinheiro.

Primeiro, a denúncia foi recebida em abril deste ano, mas a defesa recorreu. A alegação foi de que se tratava de “bis in idem”, repetição de caso já abarcado na ação penal da operação All In, realizada em 2017 pela PF (Polícia Federal). Porém, o juiz aponta que a outra denúncia não trouxe os casos em investigação neste novo processo.

De acordo com o documento, as movimentações bancárias em nome de laranja foram nos valores de R$ 20 mil e R$ 1.500. O repasse foi feito pela pessoa já identificada como responsável de ocultar movimentação financeira e propriedade de dinheiro oriundo do tráfico de drogas para Gerson Palermo.

“No caso, a denúncia preenche os requisitos legais, com a qualificação dos acusados, demonstração da materialidade do delito, narra os fatos de maneira satisfatória, sintetizando a imputação atribuída aos agentes”, afirma o magistrado. A primeira audiência foi marcada para 9 de novembro.

Gerson Palermo durante prisão em 2017, durante a operação All In. (Foto: André Bittar/Arquivo)
Gerson Palermo durante prisão em 2017, durante a operação All In. (Foto: André Bittar/Arquivo)

A fuga – Em 21 de abril de 2020, ainda no início da pandemia do coronavírus, Gerson Palermo foi enquadrado no grupo de risco para a covid e obteve prisão domiciliar, com monitoramento eletrônico. A decisão aconteceu durante o plantão do desembargador Divoncir Schreiner Maran.

No dia seguinte, 22 de abril, o desembargador Jonas Hass Silva Júnior, relator do processo, revogou a liminar e restabeleceu a prisão. Oito horas após o benefício do regime domiciliar, o chefão do tráfico rompeu a tornozeleira eletrônica e desapareceu.

Após reportagem do Campo Grande News, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) passou a acompanhar o caso e abriu procedimento de reclamação disciplinar contra Divoncir Schreiner Maran.

O desembargador informou ao Conselho Nacional de Justiça que a decisão sobre Palermo foi como outras milhares.

Gerson Palermo é piloto, acumula passagens pela polícia desde 1991 e chefe do tráfico de cocaína. O crime mais ousado foi no ano 2000, quando sequestrou um Boeing da Vasp.

Até o ano passado, ele estava preso por condenação na operação All In. De acordo com a sentença da Justiça Federal, Palermo tem histórico de “façanhas criminais” e cogitou até uma “fuga de cinema” para o genro preso.

 A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos denunciados por lavagem de dinheiro. Há 30 anos, Gerson Palermo estava em 50 mil cartazes de “procura-se” espalhados pela PF por todo o Brasil.

Reportagem do jornal Correio do Estado sobre procura por presos de alta periculosidade. (Foto: Reprodução)
Reportagem do jornal Correio do Estado sobre procura por presos de alta periculosidade. (Foto: Reprodução)


Nos siga no Google Notícias