ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 22º

Capital

TJ ‘se cala’ sobre suposta influência de juiz em adiar desobstrução de rua

Carlos Alberto Garcete é morador de ‘condomínio de luxo’ que teria portarias derrubadas na tarde desta sexta-feira

Anahi Zurutuza | 05/08/2016 20:11
No meio da tarde, advogados, representantes do município e oficial de Justiça saíram do condomínio para esperar nova ordem de juiz (Foto: Marcos Ermínio)
No meio da tarde, advogados, representantes do município e oficial de Justiça saíram do condomínio para esperar nova ordem de juiz (Foto: Marcos Ermínio)

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul preferiu não se manifestar sobre a suposta interferência do juiz Carlos Alberto Garcete na derrubada da liminar que determinava demolir as portarias construídas por moradores do bairro Chácara Cachoeira, para transformar a rua Nahima em um condomínio de luxo, no altos da avenida Afonso Pena. A assessoria de imprensa do TJMS informou que só poderia responder por Garcete se o questionamento da reportagem tivesse relação com questões processuais.

Na tarde desta sexta-feira (5), oficial de Justiça Mário Rodrigues Junior esteve no “condomínio” Nahima Park, onde estão construídas 17 casas de luxo, para notificar a “síndica” Andreia Xavier Leteriello sobre a derrubada das duas portarias – uma que fica no cruzamento com a Afonso Pena, de frente para o Parque das Nações Indígenas e ou na Nahima com a rua Gardênia.

Contudo, horas depois de entrar no “residencial”, Mário saiu do local informando que havia recebido ligação do juiz Fernando Paes de Campos, da 3ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos, pedindo que ele aguardasse para determinar o início da demolição porque o magistrado analisaria um pedido de reconsideração feito pela Associação de Moradores do Condomínio Nahima Park.

Juliano Ribeiro levantou suspeita sobre interferência de juiz no caso (Foto: Marcos Ermínio)
Juliano Ribeiro levantou suspeita sobre interferência de juiz no caso (Foto: Marcos Ermínio)

A ação da Prefeitura de Campo Grande contra a associação foi motivada por denúncia feita por Humberto Sávio Abussafi Figueiró, que é morador da rua Nahima. Para o município, as portarias limitam o acesso da população às ruas Nahima, Nahima 1 e Nahima 2, e também a uma área verde – todos espaços públicos.

Juliano Quelho Witzler Ribeiro, advogado de Humberto, relatou que “surpreendemente, o oficial de Justiça foi chamado na casa do juiz Garcete”, também morador do “condomínio”, e depois disso, a ordem de demolição foi suspensa.

“Ficaram lá [na casa de Garcete] por horas conversando e ele [o oficial] saiu de lá dizendo que teria recebido uma ligação, com uma ordem verbal do juiz que autorizou a demolição para que o oficial aguardasse uma hora, pois o juiz queria refletir melhor sobre a decisão deles”, afirmou Juliano à reportagem.

Andreia Leteriello confirmou que Garcete conversou com o oficial de Justiça sobre o assunto, mas apenas como morador e para se inteirar do assunto. A reportagem não conseguiu contato no local com Carlos Garcete.

Por volta das 15h30, Campos deu prazo de cinco dias para que a defesa da associação se manifestasse no processo. Ele explicou na decisão que suspende a liminar dada anteriormente não levava em consideração que o “condomínio” existe há 20 anos e que, conforme alegaram os advogados dos moradores, a demolição precisa ser feita por técnicos.

Nos siga no Google Notícias