ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Universidade afirma que clínica veterinária não possui irregularidades

Fiscalização alegou falta de documentação, profisisonais especializados e até remédios vencidos

Guilherme Correia | 08/09/2022 22:05
Fiscalização interditando a unidade clínica da Uniderp. (Foto: Reprodução) 
Fiscalização interditando a unidade clínica da Uniderp. (Foto: Reprodução)

Uniderp afirma que seu Hospital Veterinário está em dia com a documentação legal para prestar serviços e oferecer aulas práticas. Hoje (8), a unidade foi interditada pelo CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) de Mato Grosso do Sul, sob justificativa de que não possui registro no órgão e está sem profissionais especializados.

"A instituição atende todos os requisitos legais para funcionamento do Hospital Veterinário e enviou a documentação necessária para o CRMV em fevereiro de 2022. Por fim, a universidade esclarece que os medicamentos apontados estavam separados para descarte e não foram utilizados em animais."

Foi informado que o local realiza apenas procedimentos eletivos agendados, buscando atender práticas do curso de Medicina Veterinária, desde março de 2020.

A universidade afirma que constrói uma nova clínica de pequenos animais na Uniderp Matriz, para onde as atividades de campo serão migradas. "A previsão para conclusão das obras é novembro deste ano, centralizando as aulas teóricas e práticas em um único campus."

Segundo a instituição, as aulas e serviços prestados na estrutura da Agrárias estão em processo de desativação desde julho.

Fiscalização - A ação contou com o apoio do Procon (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor). Os serviços prestados pela clínica universitária foram suspensos até que sejam corrigidas as irregularidades documentais junto ao conselho, além da apresentação formal de ampla defesa no Procon.

A clínica médica da instituição de ensino só poderá voltar a funcionar após autorização expressa dos referidos órgãos. Segundo o conselho, foi constatado que o curso de medicina veterinária e a fazenda escola não tinham médico-veterinário.

Foram constatadas ainda outras infrações graves como medicamentos vencidos expostos na farmácia e prateleiras da clinica escola, onde foram encontrados 130 frascos de medicamentos fora do prazo de validade, alguns desde 2019.

Conforme Thiago Fraga, presidente do CRMV, cumprir a legislação além de obrigação é fundamental e faz parte do ensino-aprendizagem. “O descumprimento põe em risco a qualidade do ensino e corrompe o que deveria estar sendo ensinado dentro da própria sala de aula."

"Compromete o ensino, coloca em risco o bem-estar dos animais e pode causar sérios danos e prejuízos aos responsáveis dos animais ali atendidos”, destacou.  A interdição aconteceu na terça-feira (6).

Nos siga no Google Notícias