A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

23/11/2015 17:10

Vazios representam 25% do perímetro urbano da Capital, diz estudo

Alan Diógenes
Área vazia e disperdiçada em contraste com prédios ao fundo na área central da cidade. (Foto: Gerson Walber)Área vazia e "disperdiçada" em contraste com prédios ao fundo na área central da cidade. (Foto: Gerson Walber)
Professora da USP, Ermínia Maricato, disse que solução seria aposta na ideia de cidade compacta. (Foto: Gerson Walber)Professora da USP, Ermínia Maricato, disse que solução seria aposta na ideia de cidade compacta. (Foto: Gerson Walber)
Arquiteto e urbanista Ângelo Arruda disse na região do Imbirussu existem mais espaços vazios. (Foto: Gerson Walber)Arquiteto e urbanista Ângelo Arruda disse na região do Imbirussu existem mais espaços vazios. (Foto: Gerson Walber)

Com a ajuda de acadêmicos da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), o arquiteto e urbanista Ângelo Arruda elaborou uma pesquisa que apontou que 25% do perímetro urbano de Campo Grande é de espaços vazios. A área está em sua maior parte concentrada na região do Imbirussu.

Segundo ele, 48,19% dessa região é composta por espaços vazios. Fazem parte dela os bairros Zé Pereira, Serradinho, Panamá, Popular, Nova Campo Grande, Núcleo Industrial e parte dos bairros José Abrão, Nasser, Santo Amaro, Santo Antônio, Sobrinho, Taveirópolis, São Conrado e CaiobáO levantamento apontou ainda que grande parte dos espaços vazios são áreas públicas, onde não foram construídos cemitérios, praças, escolas, entre outros imóveis, por exemplo.

Já a região da Capital com menos espaços vazios é o Centro. Isso porque na área está concentrada a maior parte dos comércios da cidade e escritórios. Conforme o levantamento, dentro deste espaço, somente o Bairro Itanhangá Park ainda possui espaços sem edificações.

A pesquisa do Observatório de Arquitetura e Urbanismo da UFMS começou em setembro do ano passado. Com a ajuda de um software avançado e por meio de fotointerpretação, o grupo conseguiu mapear e classificar 35.903.52 hectares da cidade.

A pesquisa ainda está em andamento, mas a primeira apresentação de resultados aconteceu na tarde desta segunda-feira (23), no curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS. A convidada especial para prestigiar o evento foi Ermínia Maricato, professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP), que também formulou a proposta do Ministério das Cidades, onde foi ministra adjunta entre 2003 e 2005.

Durante a apresentação, Ermínia revelou que o Centro-Oeste é a região onde mais existem espaços vazios. “Por isso, a pesquisa do grupo vai servir para que pelos menos Campo Grande tenha um crescimento mais equilibrado, onde toda a população possa desfrutar de melhores condições de moradia com asfalto, iluminação pública, transporte de qualidade, segurança e saúde. É importante investir nestes espaços vazios para obter um melhor desenvolvimento da cidade”, explicou.

Para ela, a solução para o problema seria trabalhar com a ideia de cidade compacta. “Não será uma cidade pequena e desagradável de se morar, será uma cidade que vai aproximar as pessoas e as deixar mais próximas do local de trabalho, dos locais de estudo, dos centros de saúde e mais perto dos familiares. Sem falar no bem sustentável, onde a pessoa não vai precisar de utilizar automóveis poluidores, além de haver uma redução no tempo das viagens do transporte publico”, finalizou.

Também estiveram presentes no evento representantes do Secovi/MS (Sindicato de Habitação de Mato Grosso do Sul), Planurb ( Instituto Municipal De Planejamento Urbano) e Emha (Agência Municipal de Habitação de Campo Grande). As entidades foram parceiras na elaboração da pesquisa.

Utilizando software avançado, alunos da UFMS, conseguiram mapear e classificar as áreas vazias da Capital. (Foto: Gerson Walber)Utilizando software avançado, alunos da UFMS, conseguiram mapear e classificar as áreas vazias da Capital. (Foto: Gerson Walber)
EMHA suspende atendimento ao público para capacitação de funcionários
O atendimento ao público será suspenso nesta sexta-feira (15) na EMHA (Agência Municipal de Habitação). Segundo a assessoria de comunicação da prefei...
Homem tem casa invadida, pula muro para fugir de ladrão e quebra o pé
Homem de 29 anos quebrou o pé após pular o muro do sobrado onde mora para fugir de ladrões, na noite de ontem (13), na Rua Canavieiras, na Vila Plana...


Participo deste trabalho e gostaria de apontar alguns dados, que podem ter sido mal compreendidos na entrevista. Embora a pesquisa ainda não esteja finalizada, podemos afirmar que, segundo seus critérios, ao menos 37% da área do perímetro são compostos de vazios urbanos, expressão que abrange apenas os imóveis de domínio particular. A Região do Imbirussu é apontada como a mais vazia, na soma de vazios urbanos e áreas públicas não edificadas, mas a região do Bandeira também se aproxima dos impressionantes 50% de áreas vazias. A Imbirussu, pela Lei Complementar nº 74 de 2005, é composta apenas pelos sete bairros seguintes: Nova Campo Grande, Núcleo Industrial, Panamá, Popular, Santo Amaro, Santo Antônio e Sobrinho. Zé Pereira e Serradinho não são bairros, e os demais são de outras Regiões.
 
pauloabreu em 26/11/2015 10:10:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions