A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

21/12/2012 10:00

Cassada, presidente de conselho denuncia perseguição e vai adotar Scooby

Aline dos Santos
Sibele quer adotar Scooby e provar eficácia de tratamento. (Foto: Facebook)Sibele quer adotar Scooby e provar eficácia de tratamento. (Foto: Facebook)

A ex-presidente do CRMV/MS (Conselho Regional de Medicina Veterinária), Sibele Luzia de Souza Cação, que foi cassada do cargo por defender tratamento da leishmaniose em cães, declarou que sofreu perseguição e foi injustiçada pelo CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária).

Em nota oficial, ela também afirmou que vai adotar o cão Scooby, personagem que desencadeou a denúncia ao MPF (Ministério Público Federal) e levou à queda da presidência do conselho estadual. A história do cachorro causou comoção em Campo Grande. Ele foi preso a uma moto e arrastado do bairro Aero Rancho até o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses). O cachorro foi diagnosticado com a doença e, graças ao clamor popular, foi salvo da eutanásia, destino dos outros cães doente.

“Os incomodados com as verdades ditas, à época do caso Scooby, resolveram me denunciar anonimamente ao Ministério Público Federal alegando que eu estaria causando grandes prejuízos à saúde pública da população campo-grandense. O MPF fez questionamentos ao CFMV que por sua vez resolveu abrir inquérito administrativo para apurar o desvio de minha conduta enquanto Presidente do CRMV/MS, o que resultou nessa cassação”, relata na nota.

Sibele Cação defende que informou corretamente a sociedade sobre as formas de transmissão, prevenção e controle da leishmaniose. Ela enfatiza que sobre o tratamento falou apenas a verdade, fruto de conhecimento adquirido ao longo de anos de estudos e participação em seminários, simpósios, palestras, fóruns e congressos.

A veterinária pretende usar Scooby como prova da eficácia do tratamento. Segundo ela, o pedido de adoção do cachorro já foi protocolado no CCZ. “O relatório final do tratamento do Scooby foi entregue pessoalmente ao Prefeito, pela veterinária responsável pelo tratamento, onde foi demonstrada a eficácia do tratamento com todos os exames normais, inclusive pesquisa de parasita negativo. Somente a sorologia ainda permanece reagente, o que é considerado normal pelos especialistas, que afirmam que a sorologia pode levar meses para negativar”, afirma no documento.


A ex-presidente do conselho afirma que está no aguardo da decisão e alerta que o cão está sem medicação.

Proibido – O comando do Conselho Regional de Medicina Veterinária foi assumido por Eduardo Arteiro Marcondes. Em seguida, foi divulgada nota alertando sobre a proibição do tratamento.

Conforme o documento, o posicionamento oficial do CRMV/MS é o de cumprir integralmente o descrito pelo código de ética profissional, que veda o tratamento dos animais sem comprovação cientifica ou se utilizando drogas não registradas nos órgãos competentes. Todo médico veterinário é obrigado a notificar os casos positivos.

 



como deus é maravilhoso e colocar pessoas como essa dra. q fez a faculdade e sabe do valor da vida de um animalzinho, gente vamos apoiar o nao sacrificio eu conheço um caozinho q tem e vive muito bem...parabens dra estamos com vc!!
 
ariana xavier em 26/12/2012 12:45:07
Parabéns!!! Sibele,pela coragem, pela ousadia, pela determinação e principalmente pela sensibilidade com essa causa.
Acredito, que toda essa turbulência que esta acontece com essa profissional SENSÍVEL,nada mais é que, uma perseguição de algum "doente", querendo ocupar seu cargo. Afinal, quem tem competencia sempre incomoda...
Acredito e sempre vou acreditar no tratamento. Conheço inúmeros animais, que trataram e continuam muito bem há anos, o que denota eficácia no tratamento.
Acho vergonhoso e desumano, a maneira que o Brasil trata as vítimas (cães) dessa doença.Isso é retroceder no tempo , Ignorância do ignorantes...
Sibele, a população HUMANA e "saudável"mentalmente esta contigo linda. Continue sua empreitada que irá vencer e consequentemente derrotar os URUBUS da ignorância.
 
Neyde de Oliveira em 23/12/2012 12:10:16
Agradeço a todos pelo apoio. Quando falamos em tratamento para os cães não estamos (veterinários) sendo irresponsáveis. Temos conhecimento técnico-científico para tal e não somos conduzidos pelas políticas públicas equivocadas que são questionáveis. Se realmente a eutanásia em massa tivesse comprovação científica como eficiente para o controle da leishmaniose no ser humano e no próprio animal, nem duscitiríamos isso com as autoridades públicas. O que peço a todos nesse momento é que continuem lendo e comentando tudo que for publicado e postado sobre esse assunto. Somente com as nossas manifestações os nossos governantes poderão tomar uma atitude que a sociedade quer. Isso é democracia. O poder pelo povo e não o poder pelo poder. A ciência em benefício da sociedade!
 
Sibele Cação em 22/12/2012 17:53:00
Parabéns, somente corações como o seu, cheios de amor, têm essa atitude. Não espere o reconhecimento dos homens, de nada servem p ti, mas Deus, com certeza, estará reconhecendo a tua dignidade e isso é que te engrandece cada vez mais.
 
Yara de Oliveira. em 22/12/2012 10:36:47
Tratei um cão com esta doença a 5 anos atrás, quando só os loucos diziam que o tratamento era verdadeiro, paguei 200 reais em 7 ampolas de medicação no paraguai, foram 1400 reais apenas e tenho um cão com saúde sem nenhum sintoma, manifestação ou mesmo diagnóstico da doença... e agora, tem cura ou não??? Abra os olhos galeraaa, o governo quer economizar dinheiro pra gasto próprio e não quer cuidar dos cãezinhos que sofrem com esta doença.
 
WILLIAN PADILHA BARRETO em 21/12/2012 17:13:34
Na verdade, o termo "comprovação científica" é polêmico, pois a "comprovação cientifica" resulta de uma experência que deu o resultado almejado. Temos, como exemplo, a homeopatia que tantos benefícios traz aos seres humanos e animais. E dizem que não há comprovação cientifica em tal especialização!. Os conselhos de classes existem para defenderem os interesses de seus profissionias, a sociedade e o seu objeto - que no caso são os animais - o interesse fim. Logo, independente de normas taxativas, dever-se-ia observar as medidas e os cretérios adotados em que resultou no afastamento da representante do conselho, pois faço parte da sociedade e não acho que ela foi omissa.ao defender os interesse dos animais irracionais - que por óbvio - não possuem intelecto para se defenderem.
 
EDSON CHAVES em 21/12/2012 14:19:42
Na verdade o problema é economico, porque se o tratamento funcionar é os orgãos publicos de saude é que devem bancar os tratamentos. Portanto eles vão indeferir este tratamento até o final. Deveria ter um vereador ou deputado pra propor o tratamento, pois isto acaba prejudicando os humanos.
 
CARLOS AUGUSTO DELGADO PINTO em 21/12/2012 13:30:36
Muito bem Drª Sibele, admiramos sua coragem de enfrentar essas pessoas que "se dizem entendidas do assunto" e que não querem admitir o sucesso do tratamento, porque saber eles sabem só não querem dar o braço a torcer e preferem continuar rezando as Leis arcaicas do Ministerio da Saúde. Você tem o apoio de muitos campo-grandenses que não tem a oportunidade de também dar esse grito em favor de seus cães. Muito sucesso nessa árdua empreitada. Conte conosco.
 
miriam amaral em 21/12/2012 12:51:09
Dra.Sibele , seja forte . O Brasil precisa rediscutir essa legislação vigente há 50 anos. A Medicina Veterinária evoluiu e a legislação sanitária não acompanhou. Fora do país na há mais eutanasia de cães e sim tratamentos com medicacões eficientes. È necessário que o governo autorize a importação aliados a práticas sanitárias mais eficientes para o controle.
 
Tania Mara de Hungria Cruz Conti em 21/12/2012 11:46:07
''Um homem só é nobre quando consegue sentir piedade por todas as criaturas''
ta faltando homem de verdade nessa sociedade
 
juliana Nabuco em 21/12/2012 11:40:10
Qualquer pessoa que tenha a capacidade mínima de ler um artigo científico sabe que a metodologia (da década de 40, retrógrado e que não existe em países civilizados) de eutanásia de cães doentes não é o melhor caminho para eliminar a leishmaniose e que o tratamento existe e pode ser eficaz. Tanto que se eutanásia fosse eficiênte, on índices de contágio estariam diminuindo. Falta vontade de aceitar o que a ciência prova, só porque requer mais cuidado e atenção. E falta educação e civilidade da população em limpar seus quintais, o que eliminaria os mosquitos transmissores da leishmaniose e da dengue, numa ação só.
 
Ana Micheleti em 21/12/2012 11:37:13
Se vamos sacrificar os cães com leishmania, vamos também sacrificar os humanos com HIV, hepatites e outras doenças que põe em risco a saúde pública, que tem apenas tratamento paliativo e não estão nem perto de cura. Ainda bem que ainda existe gente raçuda e corajosa pra peitar a ignorância do ser humano. Um viva à ciência!
 
Claudia S Barros em 21/12/2012 11:34:52
Que orgulho Sibele, além de informar a população, tirando os "mitos" que a maioria tenta passar-nos, perdeu seu cargo apenas pelo fato de falar a verdade, e, ainda adotou o cão scooby para provar a verdade que fala.
Foi cassada e perdeu seu cargo? Denunciada no MP? Anonimamente? Apenas por defender animais? Não entendi!!
A impressão que eu tenho é que vivemos uma DITADURA!!
Pois não podemos cuspir a verdade no rosto das autoridades!

Sibele, Parabéns por sua coragem e ousadia,
Apoio sua conduta.
Colherá bons frutos por sua sinceridade e vontade em fazer o bem.
 
Hélia Liramara em 21/12/2012 11:34:51
Sem comentarios a posição do Conselho, nossas autoridades com apoio da população deveria entrar com pedido para ela voltar ao cargo, afinal o tratamento do cão foi um apelo geral do povo de Campo Grande!!!
 
Vanderley Junior em 21/12/2012 11:24:28
Engraçado, né??? ou, no mínimo, curiosa a forma com que se deu tal cassação... a quem será que interessa o afastamento da Drª Sibele, hein??? Acho que essa novela não para por aí, espero eu, para o bem dos cidadãos de bem campograndenses...
 
Alexandre Araujo em 21/12/2012 11:17:19
É incrivel como as coisas acontecem. Tenho um bace chamado dengoso e desde qdo nasceu a 4 anos foi diagnosticado leishimaniose e a médica veterinária de 1 certa clinica queria adotar a eutanasia. mas o meu dengoso era muito danado, ativo, então disse q não autorizava a eutanasia e a médica me fez assinar umas trozentas fls me responsabilizando pelo dengoso. E graças a essa minha atitude tenho ele até hj e é criado com + 2 amigos q é o boxer ( foforo) e a poodou ( fofucha). Faço o tratamento nele sem ter q mata-lo. Parabens dra. Sibeli Luzia de defender o tratamento em vez da eutanasia. Os q te julgaram com certeza não gostam de animais.
 
magali santana em 21/12/2012 11:10:54
Grande injustiça cometida com a veterinária. Ela foi punida por defender o tratamento da doença...e quem maltratou o cachorro foi punido???
Quer dizer que quem ama e faz o bem é punido e quem maltrata é absolvido?
Que incoerência e hipocrisia é essa???...alguém me explica por favor.
 
Marcela Silva em 21/12/2012 10:57:33
Acho absurda a cassação. A presidente deu uma opinião na condição de presidente. Ela não prescreveu e nem agiu (como veterinária em exercício da profissão) de forma atentória ao código de ética. Ser cassado por expressar uma opinião como dirigente de um conselho não me parece atender ao inviolável princípio constitucional do direito de expressão e pensamento, especialmente na área científica que sempre comporta questionamentos às verdades estabelecidas.
 
RONALDO FRANCO em 21/12/2012 10:42:42
Você é um exemplo de que ainda há esperança no ser humano.
Torço por você e pela sua vitória nessa luta!
 
Fernanda Abreu em 21/12/2012 10:33:32
Parabéns pela coragem de enfrentar o vosso Conselho. Precisamos de mais pessoas como voce que não desistem de seus objetivos em presrvar vidas. Onde iríamos parar se não houvesse os corajosos em descobrir curas e slavar vidas. Mais na frent vão te dar o devido valor. Sucesso pra voce.
 
Mario Sergio Cardoso em 21/12/2012 10:29:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions