A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Março de 2019

16/10/2009 16:27

Comandante da PM enfrenta 10 minutos de pânico no ar

Redação

O comandante da Polícia Militar, coronel Carlos Alberto David, diz que enfrentou ontem os 10 piores minutos de toda sua vida.

Dentro de um bimotor modelo Baron, com outros 3 passageiros, além de piloto e co-piloto, o comandante enfrentou nuvens carregadas que tiraram a estabilidade da aeronave e provocaram momentos de pânico.

O avião ficou cerca de 10 minutos em turbulência forte, conta o coronel. "Só pensava que ia morrer. Aquele tempo pareceu uma eternidade", lembra

O grupo saiu de Campo Grande às 13h45, com destino a Aparecida do Taboado, para acompanhar evento do governador André Puccinelli.

Quando a aeronave sobrevoava Ribas do Rio Pardo, os problemas começaram. "Primeiro eram correntes de vento. O piloto tentava desviar, mas então pegamos pela frente a formação de uma tempestade", relata David.

Durante cerca de 10 minutos, em que o avião perdia altitude e o nível mais alto, o coronel diz que o semblante de todos passageiros era de pânico.

Ele comenta que as primeiras imagens em um momento assim são da família. No caso dele, principalmente do filho Gabriel, de 8 anos.

Junto de David, estavam o ajudante de Ordens, major Cláudio Rosa Cruz, o chefe de gabinete da Secretaria de Justiça e Segurança Público, José Lazaro Oliveira, e o assessor do deputado Diogo Tita, Cássio Silva.

Ao perceber que pela frente poderia enfrentar risco ainda maior, o piloto propôs ao grupo o retorno a Campo Grande. "Aceitamos no mesmo momento, porque pior do que aquilo seria a morte certa", resume David.

Depois do sufoco, o coronel diz que ao conversar com o piloto teve a certeza de que se eles estivessem em uma aeronave Sêneca, que é menor que a Baron, a queda seria certa. "Não resistiria a toda aquela situação por ser menor", avalia.

O governo do Estado também usa Sêneca, mas ontem a aeronave estava na revisão.

No mesmo dia, também em viagem a Aparecida do Taboado, o avião Bandeirantes que levava o governador André Puccinelli e comitiva enfrentou problemas no ar e teve de fazer pouso de emergência em Três Lagoas.

Quando era comandante da Polícia Ambiental, David diz que enfrentou situações parecidas, mas nunca tão graves. "Na época, a Polícia Ambiental tinha um monomotor 185, que a gente chamava de Tremendão. Passei apuros, mas nada como agora", comenta o coronel.

Apesar do medo enfrentado, o comandante diz que não tem como se livrar dos vôos, por conta do cargo que ocupa, "Não tenho como evitar, isso economiza tempo".

Na próxima semana já tem viagens agendadas para Paraíba e Três Lagoas, para trocas de comando.

Hoje, o comandante está em Dourados, "mas desta vez preferi vir de carro", ri o coronel.

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio acumulado de R$ 33 milhões
O concurso 2.135 da Mega-Sena vai sortear nesta quarta-feira (20) o prêmio acumulado de R$ 33 milhões. O sorteio das seis dezenas será realizado, a p...
Homem é denunciado por assediar mulheres no Terminal Nova Bahia
Um homem de 39 anos foi detido no Terminal Nova Bahia depois de ter sido denunciado por assediar várias mulheres no local. O caso aconteceu ontem à t...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions