A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/11/2012 15:29

Comissão diz que falta pessoal para combater violência contra mulher

Gabriel Neris e Mariana Lopes
Governador André Puccinelli recebeu senadora Ana Rita em seu gabinete hoje (Fotos: Rodrigo Pazinato)Governador André Puccinelli recebeu senadora Ana Rita em seu gabinete hoje (Fotos: Rodrigo Pazinato)

A comissão da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), formada pela senadora Ana Rita (PT/ES) e a deputada federal Jô Moraes (PCdoB/MG), que investiga a violência contra as mulheres, avalia que Mato Grosso do Sul tem estrutura física, porém faltam profissionais para agilizar o atendimento.

As parlamentares iniciaram o dia com visita ao governador André Puccinelli e, posteriormente, foram a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e também ao Centro de Atendimento da Mulher. A comissão foi recebida pela delegada titular Rozely Aparecida Molina. De acordo com a delegada, de janeiro a novembro deste ano foram mais de 4 mil boletins de ocorrência registrados.

Molina explicou que até 2003 a delegacia funcionava 24h por dia. Sem o sistema de plantão, os casos geralmente são registrados na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga e Depac Centro.

Em casos específicos, de acordo com a delegada titular, as delegacias não atendem e esperam chegar à segunda-feira para encaminhar para a especializada. “Isso pode colocar em risco a vida da mulher”, disse a senadora Ana Rita. A delegada ainda reclamou que não há efetivo para manter a delegacia funcionando 24h.

Ao ouvir o relato da delegada, Ana Rita disse que é ideal que a delegacia especializada funcione com o efetivo adequado. Atualmente são duas delegadas e 25 funcionários. “Falta incentivo para que os funcionários permaneçam na delegacia”, disse Molina. O movimento costumar ser intenso pós-feriado e as segundas-feiras.

Registros – Números divulgados pela delegada apontam que, em 2010, foram 48 homicídios de mulheres e 74 tentativas em Mato Grosso do Sul. No ano passado, o número de tentativas aumentou para 94. Por outro lado, o número de homicídios diminuiu para 18.

Neste ano foram registrados 33 homicídios e nenhuma tentativa. De acordo com números divulgados pela delegada, 74 mulheres foram estupradas, sendo 47 somente em Campo Grande.

A senadora Ana Rita elogiou a forma de como é montado o inquérito. Fotografias e mensagens de celular são transcritas e anexadas ao processo, o que dá agilidade ao procedimento. “Isso é um diferencial”.

A delegada aproveitou a visita comissão da CMPI para entrar um relatório com todas as atividades realizadas pela Deam. “A estrutura é boa, organizada, e bem diferente de muitos lugares do país, apesar de ainda ser uma estrutura pequena e o efetivo também ser pequeno para atender a demanda”, ressalta a senadora. “Os problemas enfrentados em Mato Grosso do Sul são uma realidade nacional”, completa.

Senadora esteve na delegacia especializada para conferir de perto os números locais de violência contra à mulherSenadora esteve na delegacia especializada para conferir de perto os números locais de violência contra à mulher

Atendimento – No Centro de Atendimento à Mulher são atendidas de 10 a 12 mulheres em média por dia. O centro funciona junto com a Defensoria Pública. Este ano, foram registrados 841 casos.

O trabalho é realizado em conjunto com a Deam e a Casa de Abrigo da Mulher. De 1999 até hoje foram atendidas 45 mil mulheres. Elas passam por terapia, com duas psicólogas, e a mulher pode ser assistida por até seis meses.

Somente no mês de outubro, 47 mulheres passaram pela terapia. O tratamento é disponibilizado de forma gratuita. As vítimas ainda recebem vale-transporte para que possam comparecer ao local.

O defensor público Anderson Chadid recebeu a comissão nesta segunda-feira. De acordo com informações passadas por Chadid, a senadora Ana Rita cobrou mais profissionais para a defensoria, entretanto exaltou a atuação em conjunto, entre o centro e a defensoria.

Os números divulgados pela delegada Molina serão estudados pela comissão da CPMI para apresentar em audiência pública marcada para amanhã (13) na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, a partir das 14h.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...


Se falta equipe para o trabalho de controle da violencia, vamos contratar senhor governador eu estou a disposição tenho especialização na área de enfrentamento da violencia é so me chamar que eu vou....
 
sonia honorato em 13/11/2012 09:19:19
A falta de policiais nas Delegacias tá geral...em todas as delegacias faltam efetivo suficiente para condições mínimas de se prestar um bom trabalho para população!!!!
 
José Barros em 13/11/2012 07:22:14
Na verdade o que falta e o homen tomar vergonha na cara e assumir que a mulher tem seu lugar na sociedade, que a mulher a muito tempo deixou de ser apenas um objeto para cria, que a mulher tem capacidade e inteligencia muito melhor que muitos Homenzarroes, pois delas dependemos de tudo, vem um machao ai dizer que nao, a nao ser que esse naceu de uma cabra. porque ate pra nascer, dependemos delas.
 
Antonio Garcia em 12/11/2012 16:20:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions