A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

06/02/2009 10:21

Contran muda regras para rebaixar suspensão de carros

Redação

No fim de 2008, o Conselho Nacional de Trânsito divulgou deliberação que esclarece um ponto conflituoso a respeito da modificação da suspensão dos automóveis, o famoso rebaixamento do veículo.

A Deliberação Nº 75, entre outras alterações, elimina o inciso IV do artigo 8º da Resolução 292/2008, que proibia "a alteração das características originais das molas do veículo, inclusão, exclusão ou modificação de dispositivos da suspensão".

Esse inciso entrava em conflito com o parágrafo único do artigo 6º da Resolução 292 que, ao exigir que os carros que tiverem a suspensão alterada devem trazer a nova altura no campo de observações do Certificado de Registro de Veículo (CRV) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), dava a entender que a modificação era aceitável.

O texto do inciso IV do artigo 8º estava dificultando a regularização de alguns veículos que tiveram a altura da suspensão alterada, afinal, é impossível modificar a altura sem mexer em seus componentes. De acordo com o Denatran, a intenção do texto do inciso IV era proibir a prática de cortar ou alongar as molas, procedimento bem mais comum para alterar a suspensão do que a modificação em todo o conjunto, que não prejudica a dinâmica do carro. Então, na prática, resolveu o problema de interpretação e passou a responsabilidade para as empresas creditadas.

Os proprietários que pretendem alterar a suspensão devem prestar atenção ao caminho correto para registrar a mudança. O primeiro passo é procurar o Contran para conseguir uma autorização, depois ir a uma empresa credenciada pelo Denatran ou Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para atestar se as modificações pleiteadas estão de acordo com a lei.

Originalidade - Para Carlos Magnus Othero, da Magnus Alinhamento, rebaixar o carro pode trazer várias desvantagens, como desalinhamento constantes, desgaste prematuro da suspensão e amortecedor, aumento dos ruídos de rodagem, desconforto (carro fica mais duro) além de folgas das buchas e pivôs.

"Para você ter ideia de como esse serviço dá dor de cabeça, eu não rebaixo carro na minha oficina. Mas se a demanda for voltar a suspensão à originalidade, eu faço", diz Othero, que ainda emenda que a mudança traz uma falsa sensação de estabilidade, porque a suspensão perde parte do seu curso e deixa de distribuir corretamente o peso das rodas na estrada, prejudicando o comportamento dinâmico.

Outra questão que a deliberação resolveu foi o entrave encontrado por donos de veículos especiais (ambulâncias, carros funerários, trailers) ao enquadrá-los novamente como de carga ou uso misto. Antes da alteração eles não conseguiam licenciá-los

MEC vai propor nova estrutura para cursos de pedagogia
O Ministério da Educação (MEC) vai encaminhar ao Conselho Nacional de Educação (CNE), na próxima semana, uma proposta de modificação dos cursos de pe...
Motoristas envolvidos em contrabando terão habilitação cassada
O motorista que for condenado por dirigir veículo usado para receptação, descaminho ou contrabando de mercadorias terá sua carteira de habilitação ca...
STF decide que Ministério Público pode cobrar multas de ações penais
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (13) que o Ministério Público tem competência para ajuizar ações de cobrança de multas definidas em con...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions