A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

08/02/2012 16:48

Criminalistas devem analisar polêmica sobre digitalização de inquéritos

Nadyenka Castro

Presidente da OAB/MS vai pedir que comissão de advogados se posicione sobre a situação

A comissão de advogados criminalistas da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil subseção de Mato Grosso do Sul) deve analisar a polêmica sobre a

digitalização de inquéritos no judiciário de Mato Grosso do Sul.

O presidente da OAB/MS, Leonardo Duarte vai pedir que a comissão se posicione sobre a situação, que gerou embate entre o Poder Judiciário e o MPE (Ministério Público Estadual).

O embate acontece porque o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) determinou que cada parte entregue já digitalizada suas peças. Os promotores questionam a obrigatoriedade de o MPE digitalizar as peças.

Um PCA (Procedimento de Controle Administrativo) foi protocolado pela Procuradoria Geral e pela Associação no Conselho na última sexta-feira (03), menos de 15 dias após a entrada em vigor da regra.

O Judiciário informa que só os promotores não estão adaptados à regra. De acordo com o juiz auxiliar da Corregedoria-Geral de Justiça, Cesar Castilho Marques, em Mato Grosso do Sul os advogados se adequaram gradativamente à nova realidade e hoje a grande maioria deles tem certificado digital, necessário para o envio de petições em formato digital. Da mesma forma, a Defensoria Pública também se adaptou ao formato eletrônico, afirma o magistrado.

Na primeira fase de implantação do sistema, segundo o TJ, foi permitido que as partes ingressassem com as ações em formato físico e os servidores do judiciário eram encarregados de digitalizar as peças para que pudessem tramitar no formato eletrônico. Agora, a petição física foi gradativamente eliminada para dar lugar à eletrônica.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions