ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Defesa do caso Veron contesta intérprete de guarani

Redação | 04/05/2010 14:21

O julgamento dos acusados de assassinar o cacique guarani-kaiowá Marcos Veron está acontecendo no Fórum Criminal Federal, em São Paulo, depois de ter sido adiado no começo de abril pela apresentação de atestado médico das testemunhas. Hoje a defesa tenta nova manobra para atrasar o processo, contestando a participação de um intérprete no julgamento.

Segundo informações do procurador da República em Dourados, Marco Antônio Delfino de Almeida, os advogados dos capatazes Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabralde contestaram a necessidade da presença de um intérprete.

"Por se tratar de indígenas, é extremamente importante o diálogo na língua nativa, para que eles possam se sentir mais tranqüilos e prestar informações com segurança", afirmou o procurador ao Campo Grande News. "A defesa alega que o intérprete pode ser parcial e fornecer informações dúbias às testemunhas de acusação", complementa Delfino.

O procurador disse ainda que à época do caso a falta de interpretação do guarani pode ter permitido que informações importantes ficassem de fora do processo. O julgamento é presidido pela juíza federal Paula Mantovani Avelino, da 1ª Vara Federal Criminal.

Em janeiro de 2003, o cacique Marcos Veron e outros moradores do acampamento indígena Takuara foram mortos a pauladas. O acampamento está localizado na fazenda Brasília do Sul, no município de Juti, a 303 quilômetros de Campo Grande.

A mudança do julgamento para São Paulo foi solicitada pelo MPF (Ministério Público Federal), sob argumento de que, caso fosse realizado em Mato Grosso do Sul, poderia ter resultado parcial. O julgamento, que começaria ontem, precisou ser adiado para esta terça-feira porque os réus alegaram não possuir condições financeiras de comparecer à capital paulista.

A Justiça Federal autorizou o custeio das passagens áreas para os três acusados, que permaneceram em prisão preventiva por aproximadamente 4 anos e 6 meses. O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu solta-los, por meio de habeas corpus, considerando excessivo o prazo na prisão preventiva, de acordo com decisão do ministro Gilmar Mendes.

Nos siga no Google Notícias