A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

14/11/2017 11:19

Delação revela pagamento de R$ 20 milhões a grupo de André Puccinelli

Ex-governador foi preso nesta terça-feira, junto com o filho advogado e mais duas pessoas

Mayara Bueno e Viviane Oliveira
Investigadores durante coletiva na PF. (Foto: Marcos Ermínio).Investigadores durante coletiva na PF. (Foto: Marcos Ermínio).
Policiais federais na casa de Puccinelli. (Foto: André Bittar).Policiais federais na casa de Puccinelli. (Foto: André Bittar).

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), - preso preventivamente - e o grupo que comandava teria recebido recursos na ordem de R$ 20 milhões oriundos de propina da JBS. É o que revelou o delegado PF (Polícia Federal), Cleo Mazzoti, durante coletiva de imprensa concedida nesta terça-feira (14).

Nesta manhã, PF, Controladoria-Geral da União e Receita Federal, deflagram a 5ª fase da Operação Lama Asfáltica, cujo principal alvo é o ex-governador do Estado.

Outros R$ 2 milhões seriam depositados em contas. No entanto, o valor exato será levantado por meio de uma auditoria.

O delegado afirma que a informação sobre repasse de propina foi dada por Ivanildo da Cunha Miranda em colaboração premiada. Parte do dinheiro teria sido repassado por ele diretamente para o ex-governador.

"Fomos procurados por Ivanildo (para delação), que foi operador de 2006 a 2013", disse Cleo ressaltando que dados passados por ele foram confirmados pela investigação.

O operador recebia valores da empresa - pago em troca de benefícios fiscais - e ficava com parte dele, conforme o delegado. "Recebia entre R$ 60 mil e R$ 80 mil. Em 2010, acima de R$ 200 mil".

A delação premiada está na 3ª Vara Federal de Campo Grande sob sigilo, que será retirado para acesso à tarde. Os investigadores afirmam que o operador confessou participação no esquema de propina, portanto, vai responder pelos delitos, independentemente da colaboração com a Justiça.

"O acordo de delação coloca que ele recebia valores de propina da JBS e entregava ao senhor Puccinelli em espécie ou em conta que Puccinelli indicava".

André teria recebido, ainda de acordo com a investigação, R$ 20 milhões durante a campanha para o governo estadual referente ao seu segundo mandato.

Conforme Cléo, os executivos da JBS "deram todo o caminho". "Hoje, nas buscas, temos alguns documentos que dão o mesmo caminho. A investigação não sai da linha que está sendo levada desde o início".

Além das prisões, a Justiça decretou seis mandados de condução coercitiva. A reportagem conseguiu os nomes de quatro pessoas que foram levadas para depor na sede da PF (Polícia Federal) nesta 5ª fase da Lama Asfáltica, batizada de Papiros de Lama: André Luiz Cance, João Maurício Cance, João Baird e João Alberto Krampe Amorim dos Santos.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions