A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

18/05/2009 14:30

Entidades emitem nota de repúdio à homofobia na Câmara

Redação

Entidades que representam os movimentos de Lésbicas, Travestis, Transexuais, Bissexuais e Gays de Mato Grosso do Sul emitiram uma nota de repúdio às declarações do vereador Lídio Lopes (PP) veiculadas nesta segunda, que citam o homossexualismo como problema social e resultante da pornografia.

O vereador é um dos organizadores da audiência pública que será realizada hoje às 19h na Câmara Municipal, com o objetivo de debater a pornografia. As declarações de Lídio foram feitas por conta do evento, que coincide com o início da Campanha Nacional contra a Pornografia.

Na palavras do vereador, "atualmente pesquisas apontam que a pornografia de forma agressiva, vicia mais do que o entorpecente, tornando-se causadora de problemas sociais muito maiores, como a promiscuidade, incentivo ao uso de drogas, homossexualismo[sic] e a pedofilia".

De acordo com a nota de repúdio das entidades, não há nenhuma pesquisa científica divulgada que associa a pornografia como causa da homossexualidade, nem comprovação de que se trate de doença.

"Ao referir-se a pornografia como causa do 'homossexualismo' (sic) e ao comparar a homossexualidade, uma orientação sexual sadia, ao que considera problema social compatível ao uso de drogas e à pedofilia, o parlamentar incorre em uma série de equívocos e demonstra profundo desconhecimento, primeiro de que os direitos sexuais são direitos humanos e, segundo, de que a homossexualidade é expressão legítima de afeto tão importante como a praticada por heterossexuais", diz um trecho da nota.

Segundo o comunicado, a tendência de grupos e pessoas de tratar a homossexualidade e sexualidades que fogem do padrão heterossexual como anomalias "é por puro interesse em estigmatizar e discriminar esses grupos para preservar moralismos de toda ordem, completamente desatualizados da concepção defendida pela Constituição Federal".

As entidades reclamam da ocupação de espaços públicos e do direito à opinião para 'violar o direto à diferença e à diversidade' em relação a questões que envolvem a sexualidade.

O movimento destacou também que condena e repudia a violência sexual cometida contra qualquer pessoa humana, em especial contra crianças e adolescentes.

E que, por isso, "é parceira nas ações e no desenvolvimento de uma política pública para garantir o direito de todos ao desenvolvimento de suas sexualidades de modo seguro e saudável".

A nota foi assinada pela ATMS (Associação das Travestis e Transexuais de MS), pela Bem Mulher (Coletiva de Mulheres Lésbicas e Bissexuais de MS) e Mescla (Movimento de Estudo de Sexualidade, Cultura Liberdade e Ativismo de MS).

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions