A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

20/03/2012 15:19

Fetagri diz que reforma agrária está parada em MS e sinaliza com protestos

Fabiano Arruda e Viviane Oliveira

Entidade diz que desde 2010, quando começaram a surgir denúncias de irregularidades na superintendência do Incra no Estado, atendimento a assentados e acampados tem deficiências

Presidente da Fetagri (em pé) em reunião da entidade. Para ele, nova superintendência do Incra deixa a desejar. (Foto: Divulgação)Presidente da Fetagri (em pé) em reunião da entidade. Para ele, nova superintendência do Incra deixa a desejar. (Foto: Divulgação)

A direção da Fetagri/MS (Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Mato Grosso do Sul) criticou o processo de reforma agrária no Estado e a superintendência do Incra.

Com a situação, nota enviada pela assessoria de imprensa da federação nesta terça-feira diz que os trabalhadores sem-terra e assentados estão a ponto de “explodir” com reações fora de controle se o governo não tomar providências imediatas.

O presidente da Fetagri, Geraldo Teixeira, avisa que o movimento “Grito da Terra Brasil”, idealizado em todo País, deve ocorrer no Estado entre 22 e 25 de abril.

“Os assentados querem a terra. Querem que seja distribuída a cesta básica como antigamente”, informa.

Segundo a entidade, a construção de casas em assentamentos travou em MS desde 2010, época em que foram reveladas denúncias que envolveram a superintendência regional do Incra.

Conforme Geraldo, mais de 2,5 mil casas deveriam estar prontas e a maioria depende apenas de acabamento, enquanto outras unidades precisam de itens como cobertura, mas, como os recursos estão bloqueados, “tudo está paralisado”, afirma.

“Temos percorrido o interior do Estado e reclamação é grande. Os trabalhadores responsabilizam o governo pela morosidade em colocar o Incra funcionamento”, explica Geraldo, criticando a gestão do novo superintendente do instituto no Estado Celso Cestari.

“Ele conhece bem a realidade de Mato Grosso do Sul; conhece os nossos problemas; tem o nosso apoio, mas infelizmente as coisas não estão acontecendo”, complementou, segundo informações da assessoria.

Teixeira também cobrou punição aos alvos das denúncias de corrupção pela venda ilegal de lotes. Ele disse que espera para esta semana reunião com

a superintendência do Incra.

Do outro lado, por meio da assessoria de imprensa, o Incra informou que existe liminar na Justiça Federal de Dourados que suspende as atividades do órgão até que seja normalizada a situação nos assentamentos em relação à ocupação ilegal de terrenos da reforma agrária.

No ano passado, o instituto iniciou vistoria de mais de 14 mil lotes em 68 assentamentos na região Sul do Estado. Deste número, 4,2 mil são passíveis de retomada de reintegração de posse. As maiores irregularidades são venda para terceiros, arrendamento e não residir no imóvel.

O levantamento foi exigência da Justiça Federal para liberar novas aquisições de terra. O processo é condicionado para destravar a reforma agrária.

O pedido partiu do MPF (Ministério Público Federal), após a descoberta de participação de funcionários do Incra e líderes de movimentos sociais na venda e regularização de lotes ocupados ilegalmente, através da emissão de documentos falsos. O esquema foi revelado durante a operação Tellus, realizada pela PF (Polícia Federal).

Incra aciona a Justiça para retomada de 153 lotes de Ponta Porã e Naviraí
O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) entrou na Justiça pedindo a retomada de 153 lotes de reforma agrária dos municípios de ...
PF cumpre mandados de busca nas sedes do Incra de Corumbá e Campo Grande
A operação da Polícia Federal contra irregularidades em concessões e aquisições de lotes destinados à reforma agrária cumpre três mandados de busca e...
Quase um terço de lotes da reforma agrária no Estado estaria irregular
Incra lança neste domingo campanha contra venda de lotes. Quem compra área irregular perde dinheiro e responde a processoLançada sexta-feira, começou...
Fetagri faz pressão por nomeação no Incra e denuncia caos na reforma agrária
A Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Mato Grosso do Sul) pressiona por nomeação de um novo superintendente para o Incra (Institu...


marcos e carlos a comida que vcs comem vem da agricultura, muitas vezes dos trabalhadores que possuem sitios e traabalham com suas familias, portanto mais respeito com os 100 terras futuros assentados.
 
ari da silva em 09/04/2012 04:38:54
Passando por estes acampamentos durante a semana não se acha ninguem a não ser uns gatos pingados, mais chega o fim de semana é cheio de carros e gente aguardando a cesta basica e ficam tomando terere o dia inteiro.
Posso dizer sem medo q 60% desses q estão nas estradas não tem afinidade nenhuma com a terra.Dai acontece o devio de verbas, o pagamento de propina, a venda irregular de lotes.
 
Marco Aurelio em 20/03/2012 09:03:22
Essas reformas agrarias, nos molde que estão é sinonimo de trambicagem, pois segundo o INCRA ha mais de 4.000 lotes irregulares, onde os coitadinhos dos sem terras e sem vergonhas tambem pegam as terras para fazer rolo, e trambicagem... Gente... Reforma agraria tenm que ser coiswa séria e pra gente seria, que tem afinidade com a terra... Não para a maioria dessa gente desocupada que prejudicam
 
carlos lima em 20/03/2012 07:30:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions