A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

27/05/2017 11:57

Harfouche expulsa feitiçaria em evento do MP e incendeia Estado Laico

No começo da oração, o pastor foi advertido que não estava na igreja

Aline dos Santos
Harfouche (de gravata azul) foi alvo de moção de repúdio na Assembleia Legislativa.  (Foto: Victor Chileno/ALMS)Harfouche (de gravata azul) foi alvo de moção de repúdio na Assembleia Legislativa. (Foto: Victor Chileno/ALMS)

Convocada sob pena de multa de até R$ 18 mil para quem faltasse, a palestra sobre evasão escolar do procurador de Justiça e pastor Sérgio Harfouche em Dourados, que lotou o estádio Douradão na última quinta-feira (dia 25), terminou com a expulsão da feitiçaria e abriu, mais uma vez, a polêmica sobre o Estado Laico.

No começo da oração, o pastor foi advertido pelo grito de um dos participantes de que ele "não estava na igreja". Então, Harfouche consultou o público de dez mil pessoas e, diante do apoio da maioria, retomou a ardorosa oração.

“Tira fora toda a maldade, a rebelião, a incredulidade, a bruxaria, fica fora feitiçaria, idolatria, derramamento de sangue, uso de drogas, indisciplina, infrações”, disse Harfouche.

Nas redes sociais, o vídeo abre discussões sobre o Estado Laico, que defende que a religião não deve ter influência nos assuntos do Estado.

“Apesar da nobreza do ato e da conduta dos agentes públicos envolvidos, seria recomendável que nesse tipo de evento não houvesse nenhum aspecto religioso envolvido”, afirma o advogado constitucionalista André Borges.

Ele explica que a Constituição Federal tem como um dos princípios de que religião não se envolva com a República. Contudo, a mesma legislação prevê isenção de impostos para os templos religiosos.

Questionado se transformou evento oficial do Ministério Público em ato religioso, Sérgio Harfouche afirma que a Constituição Federal foi promulgada em nome de Deus e que o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente) prevê desenvolvimento espiritual.

“Não promovi coisa religiosa nenhuma. O artigo terceiro do ECA prevê que a criança tem direito ao desenvolvimento espiritual. Tem pais que falam que fazem de tudo. Digo que em último caso ora com ela. Deus faz parte da nação brasileira. O Brasil não é ateu, ser laico não é ser ateu. Não entendo porque isso. É tão mais relevante tirar essa molecada da rua, da boca de fumo e colocar na escola”, afirma Harfouche.

Coação - A convocação para assistir à palestra do Proceve (Programa de Conciliação para Prevenir a Evasão e a Violência Escolar), a “Lei Harfouche” provocou polêmica e críticas de alguns pais, que se sentiram coagidos pela medida, que previa até aplicação de multa de 3 a 20 salários mínimos e processo por crime de abandono intelectual. A situação fez com que deputados estaduais se manifestassem contrários à situação na Assembleia Legislativa, inclusive aprovando moção de repúdio.

Inicialmente, todos os pais dos 68 mil alunos de escolas públicas de Dourados deveriam comparecer, mas depois o Ministério Público decidiu fazer a audiência apenas com os responsáveis pelos pais de estudantes da rede municipal por falta de espaço, pois apenas 7.900 lugares do estádio podem ser utilizados. Com os demais, a reunião ficou para junho.

Segundo Harfouche, a convocação tem previsão legal e foi feita pelo Ministério Público de Dourados, sendo ele convidado como palestrante. Ainda de acordo com o procurador pessoas ligadas aos deputados estaduais do PT foram ao estádio para tumultuar. “Lamento porque não tenho partido político, não sou candidato a nada”, diz.

Punir por punir - A “Lei Harfouche”- que estipula que se o aluno sujar a escola, deverá limpar, se quebrou algo, terá que consertar, e se houver ofensa, será necessário se retratar – deve ir à segunda votação na Assembleia Legislativa.

Segundo nota técnica divulgada por grupo de juristas, o que conduz os adolescentes à criminalidade não é a indisciplina escolar, mas a marginalização e exclusão de alguns grupos sociais. “A punição pela punição, sem que se busque estancar suas causas é isso: medida comprovadamente ineficiente, utilitarista,e que merece ser inteiramente rechaçada”.




Concordo com o Dr. Sergio Harfouche.
Os alunos tem que respeitar os professores e a escola. Ali não é lugar de brincadeira, muito menos lugar para desrespeito e vandalismo. Fez algo errado tem que reparar o erro.
 
Oscar Rodrigues em 28/05/2017 19:15:13
Absurdo!!!
Em geral concordo com a "linha dura" do Harfouche, mas convocar pais sob pena de multa (para fazer o que? Faltar no trabalho?) e misturar evento oficial com religião enquanto a Constituição manda que o estado é laico (não importa a maioria concordar; podem ter pais muçulmanos ali) é um absurdo que vai direto contra a constituição.
Alias, convocar pais em vez de convidar é uma mostra de medo: o Harfouche pensa que convidando ninguem vem e assim convoca? É um gol contra. Gostei dele até ler e entender esta reportagem.
 
Marc em 27/05/2017 23:08:45
Engraçado, o aluno vai na escola quebra, bate no professor e não se pode fazer nada. Quando se tem ao menos uma Lei amparando a escola a corrigir o aluno fica bem mais fácil por causa do respaldo jurídico. Quanto à oração feita na palestra houve participação da comunidade, se não houvesse poderiam contestar alguma coisa, eles oraram junto gente! Notícia sensacionalista demais!
 
Thays Freitas em 27/05/2017 19:22:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions