A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

27/01/2010 14:59

Hospital é acusado de fixar cota para atender Cassems

Redação

Diagnosticada com dengue hemorrágica na tarde de ontem, a soldada do Corpo de Bombeiros, Gisele Davis, enfrentou dificuldades até conseguir ser internada em um hospital da Capital.

O drama de Gisele ilustra denúncia feita ao Campo Grande News de que clínicas e hospitais conveniados à Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul) estariam recusando internações de pacientes do plano em função da dificuldade para o pagamento pelos procedimentos médicos.

De acordo com a denúncia, foram estabelecidas cotas de internação para pacientes que utilizam a Cassems. Os hospitais conveniados estariam como dificuldade para receber os valores de internações o que faz o plano de saúde ser considerado mau pagador.

No caso de Gisele, ela foi atendida por volta das 14 horas de ontem na Clínica Campo Grande, localizada na Rua Cândido Mariano, com suspeita de dengue hemorrágica, mas teve internação negada.

No dia anterior havia feito exames de sangue que comprovaram a grande alteração no nível das plaquetas. "O médico disse então que ela deveria ser internada imediatamente", conta a irmã, Adriana Davis, de 35 anos.

Acompanhando Gisele durante todo o procedimento na Clínica, Adriana comenta que assim que informou que o plano de saúde da irmã era Cassems, "a atendente já disse que não tinha vaga."

A paciente foi então encaminhada ao Hospital Sírio Libanês, onde foi imediatamente internada no CTI por conta do grave estado de saúde. "Ela tinha manchas pelo corpo, estava muito mal", lembra a irmã.

O Campo Grande News entrou em contato com a Clínica Campo Grande ao longo do dia, mas não conseguiu falar com a diretoria. Atendentes e funcionários do hospital, porém, negam a existência de cota, só garantem que não há vagas para a internação hoje.

Falando em nome da Cassems, o diretor de Assistência à Saúde, Ricardo Ayache, desconhece problemas em relação ao pagamento das internações aos hospitais ou clínicas conveniadas ao plano.

De acordo com ele, a Cassems paga todo dia 15 os valores referentes aos serviços médicos desde a sua inauguração.

"A afirmação de que a Cassems atrasa pagamentos não procede. Pagamos impreterivelmente no dia 15 de cada mês os valores integrais dos serviços de assistência médica. Até hoje não recebemos qualquer tipo de denúncia sobre cotas em clínicas conveniadas. Vamos analisar este fato", afirma Ayache.

Acompanhamento - Internada na CTI do Sírio Libanês, Gisele recebe acompanhamento do Programa Psicossocial do Corpo de Bombeiros. Uma psicóloga e um capelão

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions