A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

14/10/2009 11:15

Índios vão relatar a Marina "perseguição" da Famasul

Redação

Os guarani-kaiowá de Mato Grosso do Sul vão entregar amanhã à senadora Marina Silva (PV-AC), em Japorã, um documento acusando a Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) de "perseguição" aos índios. O cacique José Barbosa de Almeida, o Zezinho, disse nesta quarta-feira, por telefone, que a Famasul fez campanha para despejar os índios da fazenda Santo Antonio de Nova Esperança, em Rio Brilhante, e agora quer retirá-los também das margens da BR-163, onde estão acampados.

"A Famasul não respeita os índios. Nós cumprimos a ordem da Justiça e saímos da fazenda e vamos ficar na beira da estrada. Vamos pedir o apoio da senadora Marina Silva para a nossa luta pela terra e pedir para ela denunciar no Senado os desmandos dos ruralistas de Mato Grosso do Sul", afirmou o líder guarani-kaiowá.

Ele rebate a afirmação do presidente da Famasul, Ademar da Silva Junior, de que o acampamento na beira da rodovia representa risco aos próprios índios. "Aquele não é o único acampamento indígena na beira de estrada em Mato Grosso do Sul, mas eles [ruralistas] só implicam com o nosso. Nós sabemos dos riscos que corremos, mas não temos para onde ir e vamos ficar lá", afirmou o líder indígena, que já está em Japorã para a Aty Guaçu (grande reunião) que acontece na aldeia Yvy Katu.

O cacique disse que a situação dos índios acampados em Rio Brilhante será um dos temas da Aty Guaçu. "Vamos pedir o apoio dos nossos irmãos para resistir, se for preciso, porque não vamos sair da beira da estrada antes dos estudos antropológicos", afirmou Zezinho.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions