A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

15/09/2016 17:57

Inércia da União para resolver questão indígena deixa MS sem solução

Anny Malagolini
Reunião ocorreu hoje, em Campo Grande (Foto: Divulgação)Reunião ocorreu hoje, em Campo Grande (Foto: Divulgação)

Em mais uma tentativa de pedir auxílio da União para resolver os conflitos envolvendo terras indígenas em Mato Grosso do Sul, o secretario de governo, Eduardo Riedel e o Secretario de Segurança, José Carlos Barbos, reuniram-se hoje, em Campo Grande, com representantes do Ministério da Justiça para discutir a possibilidade do pagamento de propriedades ocupadas. Atualmente o Estado tem 122 propriedades rurais ocupadas por indígenas

Apesar do encontro, o problema que se arrasta por anos, pode estar longe de ser resolvida. Essa é a segunda vez, em menos de três meses, que assessor especial do Ministério da Justiça e Cidadania, Agostinho do Nascimento Netto, participa da discussão sobre a situação em Mato Grosso do Sul. Mas assim como nas outras situações, nenhum acordo foi concluído.

O assessor disse, conforme informou o governo do Estado, que a União está “tentando estruturar uma solução que sirva como modelo a partir da situação mais específica do Sul do Estado (Caarapó) que possa ser empregada no conjunto de problemas semelhantes das demais regiões”. No entanto, não foi apresentada nenhuma solução efetiva.

Para o secretário de Justiça do Estado, José Carlos Barbosa, o Estado tem assumido os reflexos da ausência da União, e cobrou reforço da Força Nacional, que de acordo com ele, seria a solução para “pacificar a região”.

Já Eduardo Riedel, Secretário de Governo e Gestão Estratégica, defende que o fim dos conflitos se dará indenizando o aos produtores. “O terreno é pantanoso, mas isso não serve de argumento para quem precisa de uma solução. A palavra é uma só: celeridade”, recomendou.

Conflito – Um dos mais graves conflitos entre índios e produtores rurais ocorreu em junho deste ano, em Caarapó - a 280 km de Campo Grande -, na retomada por indígena da fazenda Yvu. Durante a disputa territorial, o indígena Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, de 26 anos, foi morto. Seis índios ficaram gravemente feridos e duas crianças sofreram queimaduras.

A área ocupada integra o estudo realizado pela Fundação Nacional dos Índios (Funai) para compor a Terra Indígena Dourados Amambaipeguá I, que está em processo de demarcação há anos.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions