A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

27/01/2018 14:25

Infecções intestinais aumentam durante as férias, diz especialista

Principal preocupação deve ser com a higiene e a manipulação de alimentos, principalmente em cidades turísticas

Bruna Kaspary
Pacientes devem procurar unidades de saúde (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Pacientes devem procurar unidades de saúde (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Com o período de férias muitas famílias resolvem viajar e, normalmente, alguém passa mal do estômago e precisa tomar alguns copos de soro. Essa situação é comum, segundo médicos infectologistas, principalmente por conta da falta de higiene em manusear alimentos.

Até mesmo quem opte por ficar em casa acaba sendo prejudicado quando decide fazer um passeio diferente e comer em um restaurante, foi o caso de Élbio Santos, de 27 anos. Em apenas uma semana, o vendedor sofreu com duas infecções.

"Essa veio mais forte, um farmacêutico amigo meu disse que pode ser uma bactéria", lembra Élbio. Natiele Cristina, de 20 anos, namorada do jovem completa dizendo que dessa vez até febre ele teve por conta das dores no estômago.

"Quando se tem febre, ou outros sinais de um quadro infeccioso, normalmente é por conta de uma bactéria comum no nosso intestino, mas que por algum motivo está nos atacando", explica o médico infectologista Rodrigo Coelho.

A amiga do casal também passou mal recentemente. "Ela falou para nós uns dois dias antes de eu começar a passar mal".

De acordo com o médico, essas infecções acontecem normalmente por conta do alto fluxo de pessoas e do calor excessivo, que facilita a proliferação da bactéria nos alimentos.

Prevenção - Para evitar infecções, o infectologista lembra da necessidade de se manter a higiene, principalmente na hora de manipular alimentos. "É necessário lavar muito bem as mãos, independente se for comer ou cozinhar a comida".

"Em qualquer banheiro que a gente for, é comum aquelas torneiras de pressão, que você aperta uma vez e não precisa mexer mais, além das toalhas de papel, que também pode ficar infectada. Naqueles lugares que têm o secador com ar quente, como muitas vezes não seca direito, não se pode secar na roupa depois, porque ela pode estar cheia de bactéria também", conclui o médico.

Quando se perceber os primeiros sinais de infecção a orientação de Rodrigo é que se procure acompanhamento médico. "Normalmente começa com vômitos e diarreias, e isso é uma defesa do organismo, mas se perde muita água, por isso precisa de hidratar".



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions