ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Apesar de versão de troca de tiros, ex-vereador também foi atingido pelas costas

Os policiais militares envolvidos no caso alegam que atiraram contra Dinho Vital para se defender

Por Viviane Oliveira | 10/05/2024 11:08
O ex-vereador foi morto na BR-262, depois de ter saído do almoço de confraternização pelo aniversário de 59 anos da cidade (Foto: reprodução / rede social) 
O ex-vereador foi morto na BR-262, depois de ter saído do almoço de confraternização pelo aniversário de 59 anos da cidade (Foto: reprodução / rede social)

O ex-vereador Wander Alves Meleiro, o Dinho Vital, de 40 anos, foi morto com dois tiros disparados pelos policiais militares Valdeci Alexandre da Silva Ricardo e o cabo Bruno César Malheiros dos Santos. Um dos disparos foi pelas costas que transfixou o peito e o outro na barriga, que pegou superficialmente na pele e saiu próximo ao umbigo, conforme apurado pela reportagem. Os PMs alegam que atiraram contra Dinho para se defender em troca de tiros.

O ex-vereador foi morto na quarta-feira (8), na BR-262, depois de ter saído do almoço de confraternização pelo aniversário de 59 anos de Anastácio, realizado na Chácara do Gaúcho, perto da rodovia. O evento é realizado tradicionalmente após o desfile, reunindo políticos do município. Este ano, vários pré-candidatos à prefeitura e à Casa de Leis estavam presentes.

Na festa, Dinho bateu boca e tentou atacar Douglas Figueiredo (PSDB), ex-prefeito da cidade que teria sido anunciado como pré-candidato com apoio do também tucano Nildo Alves, atual prefeito da cidade. O ex-vereador tentou atacar o rival, mas apanhou, foi contido e retirado do local. Depois, segundo testemunhas, voltou armado.

Em depoimento, o sargento e o cabo disseram ter testemunhado a briga entre Dinho e Douglas e que estão entre as pessoas que tentaram acalmar os ânimos. Relataram também que ouviram sobre ameaças de morte feitas pelo ex-vereador ao ex-prefeito e contaram que Douglas não estava mais na chácara quando Dinho voltou armado. Os dois policiais resolveram fazer abordagem, quando o ex-vereador empunhou a arma para eles e os dois “revidaram”.

Faixa afixada na Câmara Municipal, durante o velório, pedia por justiça (Foto: Henrique Kawaminami)
Faixa afixada na Câmara Municipal, durante o velório, pedia por justiça (Foto: Henrique Kawaminami)

Ontem, a assessoria da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), informou por meio de nota, que os policiais só atiraram depois de ordenaram ao ex-vereador colocar a arma no chão, mesmo assim ele não acatou a ordem legal dos PMs e, com arma em punho, partiu em direção aos policiais, “diante do risco de vida dos policiais e de terceiros, eles efetuaram disparos contra o homem armado.

Indagado, o tenente-coronel Carlos Magno, comandante do 7º Batalhão da PM, que faz a segurança de Aquidauana, Anastácio e região, disse que a informação de que o tiro foi disparado pelas costas não procede. Ainda conforme a polícia, os procedimentos legais foram tomados e a ação será investigada por meio de um inquérito Policial Militar.

No velório de Dinho, na Câmara Municipal, Mary Beltrão, viúva do ex-vereador disse que o marido não revidou aos tiros disparados às margens da rodovia. “Ele nem teve tempo de atirar, não saiu nenhum disparo da arma dele”, afirmou.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias