ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 14º

Interior

Após Clã Rotela fazer greve de fome, presos costuram lábios com arame

Defensoria Pública esteve no presídio nesta quinta-feira e pediu atendimento aos detentos

Dayene Paz | 30/09/2022 07:03
Membros do Clã Rotela se sentem ameaçados pelo PCC. (Foto: Divulgação/Site Ponta Porã News)  
Membros do Clã Rotela se sentem ameaçados pelo PCC. (Foto: Divulgação/Site Ponta Porã News)

A defensora pública paraguaia, Gladys Escobar, esteve nesta quinta-feira (29) na Penitenciaria Regional de Pedro Juan Caballero, cidade que faz divisa com Ponta Porã, a 313 km de Campo Grande, após membros do Clã Rotela, facção paraguaia que disputa espaço com o PCC (Primeiro Comando da Capital), iniciar greve de fome. Ela constatou que alguns dos presos chegaram a costurar os lábios com arame.

Antes de mencionar "situação preocupante" na unidade durante entrevista a uma rádio local, Gladys afirmou que o Clã denunciou existência de privilégios aos membros do PCC. A defensora afirmou que foi solicitado atendimento médico e psicológico aos sete detentos que aderiram a greve.

Um dos porta-vozes do grupo, Victor López, pede uma conversa reservada com as autoridades paraguaias.

Rivalidade - Na semana passada, PCC e Clã iniciaram motim no presídio, que foi controlado. A rivalidade entre os dois grupos se intensificou após dois membros do PCC serem transferidos de penitenciaria. Os dois homens foram condenados pelo massacre da Penitenciaria de São Pedro e são considerados inimigos declarados do Clã Rotela.

Em junho de 2019, nove presos morreram e oito ficaram feridos no confronto entre presos do PCC e do Clã Rotela na penitenciária de San Pedro de Ycuamandyyu, no departamento (equivalente a estado) de San Pedro.

O grupo criminoso paraguaio é apontado como principal fornecedor de maconha, cocaína e crack em escolas e bairros pobres da capital Asunción e de Ciudad Del Este. É liderado pelo paraguaio Armando Javier Rotela Ayala. Na ocasião, todos os mortos foram do Clã Rotela. Cinco foram decapitados, três tiveram os corpos queimados e um morreu depois de ser levado para o hospital regional de San Pedro.

Nos siga no Google Notícias