ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  16    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Após morte da neta, avó trava batalha para devolver 300 bolsas de medicamento

Rede de saúde não fez a retirada do material e caixas empilhadas dividem espaço na casa

Por Clayton Neves | 16/09/2021 16:39


Mais de dois meses depois de a neta morrer em razão de uma doença renal, a dona de casa Gabriela Ferreira Corrêa, de 40 anos, trava batalha para que equipe de saúde de Aquidauana, onde mora, recolha caixas de soro para diálise que eram usados no tratamento da criança. Segundo ela, mais de 300 bolsas do produto estão armazenadas no local, disputando espaço na casa.

Gabriela conta que a neta era acompanhada no Hospital Universitário, em Campo Grande, mas foi liberada para continuar os procedimentos na casa da família. Lá, diariamente ela fazia uso do soro, que era conectado a um catéter que ficava no corpo. “No final de julho, vieram as primeiras caixas e logo depois umas outras”, explica.

No entanto, o quadro clínico da criança se agravou e a menina morreu no dia 9 de julho. Na casa, ficaram caixas e mais caixas da solução que era aplicada. “Uns três dias depois da morte dela começamos a mexer para devolver, mas até agora, mais de dois meses depois, ninguém vem pegar”, relata.

Segundo a dona de casa, a família entrou em contato com a prefeitura de Aquidauana pedindo que os produtos fossem retirados, mas a direção do hospital da cidade informou que não fazia uso dos soros e não fizeram a remoção. Em contato com Campo Grande, Gabriela foi aconselhada a levar todas as caixas de Aquidauana até a Capital, caso contrário, que doasse a alguém.

Em uma das notas fiscais, documento mostra que passa de R$ 2.700 o valor de parte das caixas, que poderiam ser perdidas sem uso.

Como última tentativa de resolver o problema, a moradora resolveu expor o caso nas redes sociais. “Postei no Facebook porque tentei de todos os lados e ninguém se propôs a vir buscar. Colocando na rede social, tentei ajuda para não acabar tendo que descartar tudo. Não foi de graça, foi dinheiro público que comprou tudo”, relata.

Somente após a publicação, equipe da vigilância sanitária de Aquidauana entrou em contato com Gabriela, prometendo recolher as caixas até sexta-feira (17). Sem dizer o motivo de a retirada não ter sido feita antes, a Secretaria Municipal de Saúde confirmou que irá recolher o material.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário