ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUINTA  02    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Bolívia fecha fronteiras até para bolivianos e só cargas podem entrar

Presidente interina Jeanine Añez estabeleceu quarentena em todo território boliviano até o dia 15 de abril

Por Helio de Freitas, de Dourados | 26/03/2020 10:44
Soldados bolivianos vigiam fronteira com o Brasil, em Corumbá (Foto: Diário Corumbaense)
Soldados bolivianos vigiam fronteira com o Brasil, em Corumbá (Foto: Diário Corumbaense)

Assim como fez o Paraguai nesta semana, a Bolívia decretou fechamento total de suas fronteiras e até cidadãos bolivianos estão proibidos de entrar no país. A medida, em vigor desde 0h de hoje (26), é mais uma ação dos governos sul-americanos para conter a pandemia do novo coronavírus.

A ordem para fechamento das fronteiras faz parte do decreto de emergência assinado pela presidente interina Jeanine Añes e estabelece quarentena em todo o território nacional até o dia 15 de abril.

Na fronteira entre a província de German Busch e Mato Grosso do Sul, no acesso entre Corumbá (MS) e Porto Quijarro na Bolívia, só caminhões carregados com alimentos e combustíveis podem seguir viagem.

De acordo com o jornal Diário Corumbaense, militares do Exército e da Armada Boliviana vigiam o posto fronteiriço na ponte entre Corumbá e Porto Quijarro. Entretanto, no trecho de fronteira seca existem trilhas clandestinas usadas para cruzar de um país para o outro. Na quarta-feira, policiais brasileiros fecharam uma dessas trilhas, usada para desviar do controle sanitário.

Medidas duras – A presidente interina da Bolívia disse que adotou medidas mais duras porque a população insistia em descumprir a quarentena. De hoje até o dia 15, os bolivianos só poderão sair de casa uma vez por semana e a pé. O controle será feito com base no número da carteira de identidade de cada cidadão boliviano.

Hoje de manhã, o ministro de Governo Arturo Murillo anunciou que todas as permissões para circulação que tinham sido emitidas estão canceladas e novas serão emitidas, só para casos de extrema necessidade. Trabalhadores da imprensa e da saúde estão entre as exceções.