ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 15º

Interior

Chefe de clã do tráfico não imaginava que seria alvo de ordem de prisão

Antonio Joaquim da Mota foi preso nesta terça-feira pela Polícia Federal em Ponta Porã

Por Helio de Freitas, de Dourados | 20/02/2024 20:57

O pecuarista Antonio Joaquim da Mota, o “Tonho”, não fazia a menor ideia que seria preso pela Polícia Federal nesta terça-feira (20), em Ponta Porã, a 313 km de Campo Grande. Policiais que cumpriram o mandado afirmam que Tonho ficou surpreso ao ser informado que seria detido e levado para o sistema prisional federal.

O mandado de prisão preventiva foi expedido pela Justiça Federal em ação penal na qual Tonho é acusado de porte e tráfico de armas, tráfico internacional de cocaína e organização criminosa. Ele é acusado de ser o chefe do Clã Mota, importante cartel das drogas na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

O Campo Grande News apurou que o processo segue em segredo de justiça. A ordem de prisão foi cumprida também sob sigilo, para que evitar vazamento.

Tonho foi levado de helicóptero de Ponta Porã para o presídio federal em Campo Grande (veja as imagens acima). Após ele ser preso em sua mansão no centro de Ponta Porã, de manhã, Tonho foi levado para a delegacia da PF na cidade.

Equipes da Força Nacional de Segurança Pública ajudaram a proteger o local. Havia temor de tentativa de resgate do preso, tido como homem temido nos dois lados da fronteira.

Antonio Joaquim da Mota e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota; ele foi preso hoje (Foto: Arquivo)
Antonio Joaquim da Mota e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota; ele foi preso hoje (Foto: Arquivo)

Antonio Joaquim da Mota é pai de Antonio Joaquim Mendes Gonçalves da Mota, o “Dom” ou “Motinha”, atualmente foragido e incluído na difusão vermelha da Interpol (polícia internacional).

No dia 30 de junho do ano passado, Motinha foi alvo da Operação Magnus Dominus, deflagrada pela PF para desmantelar o grupo de mercenários que garantia a segurança do “Mota filho”.

Entre o grupo estavam paramilitares estrangeiros e até um policial militar lotado no DOF (Departamento de Operações de Fronteira). Avisado com antecedência que seria preso, Motinha fugiu de helicóptero e até agora não foi capturado.

“Tonho” não foi alvo naquela operação, mas vem sendo investigado há anos por envolvimento com o crime organizado. Empresário e poderoso criador de gado na fronteira, Antonio Joaquim da Mota mantinha ligações com Dario Messer, considerado o “doleiro dos doleiros”, um dos presos no âmbito da Operação Lava Jato.

Em 2019, “Mota pai” foi preso no âmbito da Operação Patrón, junto com o filho e a esposa Cecy Mendes Gonçalves da Mota, todos acusados de lavagem de dinheiro em investigação desmembrada da Operação Lava Jato.

Um ano depois, a mansão da família foi novamente alvo de buscas, no âmbito da Operação Hélix, acusado de tráfico internacional de cocaína transportada em helicópteros.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas  redes sociais.

Nos siga no Google Notícias