ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Dedo cortado levou avó a descobrir estupro de criança de 4 anos

Suspeito havia sido adotado pela família da vítima depois de ser abandonado ainda criança

Por Clayton Neves | 26/01/2021 09:30
Preso em Jaraguari, suspeito foi trazido para a Depac Cepol, em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Preso em Jaraguari, suspeito foi trazido para a Depac Cepol, em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

Corte no dedo da criança de 4 anos, estuprada em um sítio em Jaraguari, levou a avó da vítima a descobrir que a neta era abusada sexualmente. O caso veio à tona depois de a mulher encontrar manchas de sangue na calcinha da menina, no entanto, no hospital da cidade a família soube que, apesar de o estupro se confirmar, as marcas na roupa eram do ferimento na mão e não do abuso sofrido.

De acordo com informações do delegado Jarley Inácio de Souza, responsável pelo caso, depois de notar o sangue na calcinha, a avó chamou a neta para conversar e teve a confirmação de que o tio de criação, de 21 anos, havia a tocado.

O autor, preso em flagrante, morava no local desde criança porque havia sido adotado pela família anos antes. “Ele foi abandonado pela família, estava até desnutrido quando a avó o pegou para criar. Era considerado um filho”, explica.

Depois de saber do crime, a mulher chamou a equipe da Polícia Militar que passava pelo local e o encaminhou para delegacia.

A criança foi levada para unidade de saúde que confirmou o abuso sexual, mas descartou que o sangue na roupa tivesse ligação com o crime. “O sangue, embora tenha servido para desencadear tudo, era de um corte no dedo porque não houve lesão na genitália da menina”, comenta o delegado.

À polícia, o suspeito confessou o crime e disse que o abuso aconteceu somente uma vez. Ele não soube explicar o motivo pelo qual estuprou a criança e contou ainda que antes de ser adotado pela família, também foi estuprado.

O suspeito vai responder por estupro de vulnerável.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário