ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  25    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Em 2018, assaltantes morreram ao tentar roubar avião de fazenda em Aquidauana

Hoje, outro grupo tgeve sucesso e fugiu do aeroclube da cidade com 3 aeronaves

Por Ângela Kempfer | 06/09/2021 10:45


Aeronaves alvos de assaltantes em 2018. (Foto: Arquivo)
Aeronaves alvos de assaltantes em 2018. (Foto: Arquivo)

Em julho de 2018, dois assaltantes acabaram mortos em confronto com a Polícia Militar durante tentativa de roubo de uma aeronave avaliada em R$ 500 mil, em Aquidauana. A lembrança volta a cabeça da população da cidade, que nesta segunda-feira acordou com a notícia de mais um assalto do tipo, desta vez, em dimensões bem maiores e com sucesso.

Há 3 anos, os bandidos fracassaram depois de denúncia anônima que alertou a PM sobre a investida dos ladrões em uma fazenda da região, em plena manhã. Os homens já tinham invadido o galpão da fazenda quando foram surpreendidos pela polícia e reagiram a tiros.

No confronto, José Donizeti da Silva, de 52 anos, e Rosival Fernandes da Cruz, de 50 anos, morreram em confronto com o Choque , foram baleados e acabaram morrendo no hospital da cidade.

No mesmo dia, à tarde,  José Carlos Neto Cabreira, de 51 anos foi preso em um hotel de Aquidauana e confessou ter planejado o crime e que usaria a aeronave para transporte de cocaína à Bolívia. O mandante foi descoberto depois da polícia ter encontrado registros de ligações e mensagens para os outros 2 ladrões mortos.

Nesta segunda - Na madrugada de hoje, outro grupo de assaltantes teve sucesso na empreitada e levou do Aeroclube de Aquidauana 3 aeronaves avaliadas em cerca de R$ 650 mil cada.

O assalto ocorreu por volta das 2h50. Banco com 18 homens cortou a cerca de arame farpado e entraram pela cabeceira da pista. Em seguida, renderam caseiro e os dois filhos dele e fugiram com os aviões que pertencem a Zelito Alves Ribeiro, irmão do prefeito de Aquidauana, Odilon Ferraz Alves Ribeiro (PSDB), a empresária Liliane Paschoaletto Trindade e a terceira ao cantor Almir Sater.

Os criminosos, com sotaque boliviano, abasteceram as aeronaves para 5 horas de voo e decolaram.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário