ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Empresário é preso acusado de estuprar a sobrinha por 4 anos

Crimes ocorreram em Vicentina, onde a menina mora; ele foi preso em Dourados

Helio de Freitas, de Dourados | 31/01/2023 11:13
Policiais durante buscas na oficina do acusado, na Avenida Hayel Bon Faker, em Dourados (Foto: Divulgação)
Policiais durante buscas na oficina do acusado, na Avenida Hayel Bon Faker, em Dourados (Foto: Divulgação)

Empresário de 48 anos de idade foi preso nesta terça-feira (31) acusado de estuprar a sobrinha de 16 anos. Os crimes ocorriam desde que a menina tinha 12 anos. Para impedir que ela o denunciasse, o homem fazia ameaças e falava que amava a criança.

A vítima mora em Vicentina, mas J.A.C. foi preso em Dourados, onde mora e tem uma oficina de motos localizada na Avenida Hayel Bon Faker com a Rua Adroaldo Pizzini.

J.A.C. foi preso no âmbito da Operação Castelo de Areia, deflagrada pela Delegacia de Vicentina e pela DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Fátima do Sul.

Além do mandado de prisão preventiva, os policiais fizeram buscas na casa do empresário e na loja dele. Investigado por estuprar, perseguir e violentar psicologicamente a adolescente, ele também foi flagrado com material de pornografia infantil no computador.

Segundo o delegado Bruno Carlos, os crimes acontecem desde que a vítima tinha 12 anos e os últimos atos foram praticados na oficina de motos que o empresário mantinha na cidade de Vicentina. Há três semanas, ao saber que a polícia investigava os crimes, ele fechou a oficina de Vicentina e continuou apenas com a loja de Dourados.

“Ele a perseguia nas folgas, queria controlar o comportamento dela, dizia que a amava e dizia que iria resolver a vida dela se ela ficasse com ele”, afirmou o delegado ao Campo Grande News.

O empresário foi levado para a delegacia em Fátima do Sul e nos próximos dias deve ser encaminhado para o presídio. As investigações continuam em andamento, para encontrar outras possíveis vítimas de crimes sexuais praticados pelo comerciante.

Nos siga no Google Notícias