ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  26    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Juiz manda prefeitura proibir aulas presenciais em escolas particulares

José Domingues Filho determinou medidas sanitárias para impedir reabertura de escolas

Por Helio de Freitas, de Dourados | 04/08/2020 10:11
Prefeita Délia Razuk terá de adotar medidas para barrar aulas presenciais em escolas particulares (Foto: Divulgação)
Prefeita Délia Razuk terá de adotar medidas para barrar aulas presenciais em escolas particulares (Foto: Divulgação)

Sob pena de multa diária de R$ 50 mil, a prefeitura terá de adotar medidas restritivas para impedir a retomada das aulas presenciais nas escolas particulares de Dourados, a 233 km de Campo Grande. O objetivo é evitar proliferação do novo coronavírus, que até ontem já tinha afetado 4.379 pessoas na cidade.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira (3) pelo juiz José Domingues Filho, da 6ª Vara Cível de Dourados, em ação impetrada pelos promotores de Justiça Rosalina Cruz Cavagnolli, Ricardo Rotunno e Luiz Gustavo Camacho Terçariol.

“A documentação vinda mostra que escolas particulares estão planejando e retomando as atividade e aulas presenciais com seus alunos, sem a elaboração de um estudo e plano de biossegurança efetivo e aprovado pelo órgão sanitário municipal”, afirma o magistrado na decisão.

José Domingues Filho cita que a cidade está em quadro de gravidade geral de contágio da covid-19, que não mostra sinais de retração.

“Sabemos que a educação é direito fundamental e que deve ser garantido, conforme estabelece a Constituição. Tem-se também o direito fundamental à saúde, aqui colocada no patamar da coletividade, especificamente da população douradense e de sua macrorregião que depende do funcionamento adequado do sistema de saúde público e privado”, afirmou o magistrado.

Ele cita ainda que as aulas presenciais estão vetadas em todo o país e que a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é permanecer com as aulas remotas para evitar a proliferação do vírus entre crianças e adolescentes.

“Retomar as aulas presenciais sem estudo de biossegurança, além da adoção de medidas sanitárias adequadas, bem como de fiscalização do seu cumprimento, é colocar em risco a saúde dos profissionais de educação, dos alunos e das suas famílias, quando a realidade mostra a necessidade de se manter o isolamento social a fim de evitar a transmissão em massa do SarsCov-2 e, assim, promover o achatamento da curva de contágio e evitar o caos e colapso do sistema de saúde”, afirmou José Domingues Filho.

Medidas – O juiz determinou que a prefeita Délia Razuk (PTB) adote, em 24 horas, “medidas restritivas não farmacológicas” contra a disseminação do novo coronavírus nos estabelecimentos de ensino privado de Dourados, proibindo o retorno das atividades presenciais até que seja apresentado estudo técnico autorizando as aulas presenciais.

Também determinou que a prefeitura exija das escolas privadas a apresentação de plano de contenção de riscos, submeta esse plano à aprovação do órgão sanitário e fiscalize o cumprimento das medidas.

O juiz determinou ainda que a prefeitura se abstenha imediatamente de editar decreto autorizando o retorno do ensino particular diante do atual estágio da pandemia. A prefeitura ainda não se manifestou sobre a decisão judicial.

Regras de comentário