A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

22/05/2019 16:50

Justiça aceita denúncia contra 5 por fraudes em benefícios de indígenas

Servidor da Funai, empresária e funcionários estão entre suspeitos de fraudes para obtenção de dinheiro do INSS e reter cartões de

Humberto Marques
Cartões apreendidos pela PF durante a Uroboros; quatro anos depois, empresária, servidor e mais 3 tiveram denúncia aceita. (Foto: PF/Divulgação/Arquivo)Cartões apreendidos pela PF durante a Uroboros; quatro anos depois, empresária, servidor e mais 3 tiveram denúncia aceita. (Foto: PF/Divulgação/Arquivo)

Servidor da Funai (Fundação Nacional do Índio), empresários e funcionários de uma empresa de fornecimento de cestas de alimentos e um advogado vão responder na Justiça Federal por fraudes previdenciárias e na obtenção de benefícios sociais de indígenas na região de Amambai –a 360 km de Campo Grande. O Rei das Cestas já havia sido alvo da Operação Uroboros para investigar a retenção de cartões de benefícios dos índios, com a realização de saques, em julho de 2016, mesmo ano da denúncia aceita agora pela Justiça.

Conforme despacho da 2ª Vara Federal de Ponta Porã, a denúncia por improbidade atinge um servidor da Funai que cooptaria indígenas –vítimas e coautores– para a consolidação das fraudes em documentos e seu envio ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para requerer “benefícios previdenciários e assistenciais” e contratar empréstimos consignados, conforme denunciou o MPF (Ministério Público Federal).

Ele também seria, ao lado da mulher, proprietário da Comercial Rei das Cestas, que vendia cestas básicas a indígenas e seria usada também para reunir as vítimas. Os suspeitos também reteriam os cartões de benefícios para realizar saques e vincular indígenas a dívidas perante o comércio.

Conforme o MPF, um advogado irmão do servidor receberia o encaminhamento dos casos fraudulentos que demandavam ação na Justiça para a concessão dos benefícios. Por fim, dois funcionários da Comercial Rei das Cestas foram acusados de ajudar os patrões na cooptação dos indígenas para a consolidação das fraudes e manter os indígenas vinculados ao estabelecimento.

Interdição – A Uroboros foi deflagrada em junho de 2016 pela Polícia Federal para investigar a Comercial Rei das Cestas, investigada pelo MPF para verificar a atuação de uma organização criminosa focada em crimes como corrupção passiva, falsidade documental e fraudes previdenciárias. Cerca de 80 policiais participaram da ação, que resultou em dois mandados de prisão, 14 de busca e apreensão e 16 de condução coercitiva.

As fraudes teriam superado R$ 1 milhão naquele momento. A PF cumpriu mandado para interdição e lacre do estabelecimento em setembro de 2016, apontando naquele momento a atuação do servidor da Funai nos ilícitos. O MPF, por sua vez, identificou até o uso de crianças como se fossem filhos de indígenas já falecidos para a obtenção de pensão por morte, ajudando na obtenção de grandes valores retroativos à morte dos indígenas.

O servidor da Funai foi um dos presos e acabou afastado da função pública.

Mercado de cestas básicas é fechado por dar golpe de R$ 1 milhão em índios
A PF (Polícia Federal) fechou na terça-feira (6) um estabelecimento comercial que vendia cestas básicas para indígenas em Amambai, município distante...
MP denuncia 5 pessoas por fraudar pensões de indígenas no INSS
O Ministério Público Federal em Ponta Porã denunciou cinco pessoas por fraude no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) de Amambai, em Mato Gross...
PF desarticula quadrilha que fraudou R$ 1 milhão em pensão de indígenas
A PF (Polícia Federal) deflagrou hoje (3) operação para prender envolvidos em esquema de fraude para obtenção de pensão por morte, cuja soma do preju...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions