ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Justiça Militar absolve policiais militares acusados de agredir jornalista

Conselho separou o julgamento dos fatos e crime de constrangimento ilegal será julgado por juiz de Direito

Por Gustavo Bonotto e Helio de Freitas, de Dourados | 12/06/2024 19:03
Acima, Elizeu (à esq.) e José Antonio e abaixo Marco Aurélio (à esq.) e Luiz Antonio. (Foto: Reprodução)
Acima, Elizeu (à esq.) e José Antonio e abaixo Marco Aurélio (à esq.) e Luiz Antonio. (Foto: Reprodução)

A Justiça Militar de Mato Grosso do Sul absolveu, em audiência realizada nesta terça-feira (11), os policiais militares acusados de agredir o jornalista Sandro de Almeida Araújo. O caso aconteceu no dia 2 de junho do ano passado, em Nova Andradina, município a 298 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com os autos obtidos pela reportagem, o Conselho de Sentença julgou a denúncia ofertada pelo Ministério Público Estadual como improcedente após votação que teve 4 a 1 como resultado final.

Diante dos fatos, o tenente-coronel José Roberto Nobres de Souza, subtenente José dos Santos de Moraes, terceiro-sargento Marcos Aurelio Nunes Pereira,  cabo Elizeu Teixeira Neves e terceiro-sargento Luiz Antonio Graciano de Oliveira Júnior foram absolvidos pelos crimes de prevaricação e falsidade ideológica.

Em consonância com a Constituição Federal, que determina que crimes militares contra civis devem ser julgados por um juiz de direito, o Conselho Especial de Justiça decidiu separar o julgamento dos fatos. Crimes de constrangimento ilegal, lesão corporal leve e violação de domicílio serão julgados singularmente enquanto os delitos de prevaricação e falsidade ideológica permanecerão sob a jurisdição do Escabinato.

Momento em que policiais à paisana mobilizavam jornalista, em Nova Andradina. (Foto: Reprodução)
Momento em que policiais à paisana mobilizavam jornalista, em Nova Andradina. (Foto: Reprodução)

Lembre o caso - Os quatro policiais são investigados por constrangimento ilegal (artigo 222 do Código de Processo Militar) e invasão de domicílio (artigo 226), por supostamente terem perseguido, agredido e praticar tortura psicológica contra o jornalista.

Mesmo não sendo alvo de qualquer investigação, o jornalista foi perseguido por duas viaturas descaracterizadas ocupadas pelos quatro policiais à paisana, impedido de entrar em casa, imobilizado com golpe “mata-leão”, jogado ao chão, agredido e revistado.

As cenas foram gravadas por câmeras de segurança. Em boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, o jornalista narrou que os policiais disseram estar “cumprindo ordens”.

Apenas o terceiro-sargento Marco Aurélio Nunes Pereira estava de serviço na sexta-feira. O terceiro-sargento Luiz Antonio estava de atestado, o cabo Elizeu Teixeira Neves de folga e o subtenente José dos Santos de Moraes deveria estar atuando em Bonito, para onde já tinha sido designado após vários anos trabalhando em Nova Andradina.

Sandro afirma que teve divergências com o tenente-coronel José Roberto no período de três anos em que o oficial comandou a PM em Nova Andradina. Segundo o jornalista, o comandante fez duas representações contra ele na polícia, para obrigá-lo a revelar fontes de reportagens sobre a segurança pública.

Receba as principais notícias do Estado no WhatsApp. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nas redes sociais: Facebook, Instagram e TikTok

Nos siga no Google Notícias