ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  19    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Para evitar covid de mãe pra filho, equipe reduz tempo de cesárea pela metade

Estudos indicam que taxa de infecção de coronavírus entre mãe e filho é baixa, tanto em parto normal, quanto cesareana

Por Guilherme Correia | 06/08/2020 10:31
Recém-nascido depois de parto (Foto: Reprodução/Edição MS)
Recém-nascido depois de parto (Foto: Reprodução/Edição MS)

Procedimentos obstétricos durante a pandemia levantaram uma série de questões aos profissionais de saúde, que se depararam com um desafio nunca antes visto. Com 41 anos de experiência nas costas, o médico ginecologista e obstetra Werther de Araújo realizou cesariana de uma gestante nesta terça-feira (4), e por sorte, o bebê não contraiu a doença da mãe.

A situação aconteceu em um centro cirúrgico do Hospital Regional Álvaro Fontoura, em Coxim, município distante 260 quilômetros de Campo Grande. Foi o primeiro parto dessa forma, realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade.

Ao jornal Edição MS, o médico relatou que foi um parto diferente, mesmo tendo sido feito em tempo de gestação normal - 40 semanas. Além de reforço nos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), que diminui consideravelmente a mobilidade dos profissionais envolvidos, eles optaram em reduzir pela metade o tempo da cirurgia, que levaria cerca de 40 minutos, mas foi concluída 20 minutos depois.

Além de tentar evitar o contato entre os envolvidos, o plano, segundo o jornal, tem por objetivo reduzir possibilidade de trombose na mãe, complicação que está sendo estudada por universidades do mundo inteiro. Os procedimentos foram todos realizados de forma mais rápida do que o normal, de forma a dinamizar o trabalho.

A mãe, uma professora, havia contraído vírus em 15 de julho, do marido, que é médico em rede pública. Ele é asmático e chegou a ser internado em UTI (Unidade de Terapia Intenstiva), mas hoje passa bem.

Ainda segundo o jornal, ela foi diagnosticada com covid em 15 de julho, o que fez com o nascimento fosse adiado para 3 de agosto, seis dias depois do previsto inicialmente. “Tenho plena confiança no meu médico, absoluta certeza que toda decisão tomada por ele foi para garantir que a chegada de Davi acontecesse como sempre sonhamos, para completar nossa família”, disse.

Transmissão - Pesquisa da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, indica que a possibilidade de infecção pelo novo coronavírus da gestante para o bebê durante a gravidez é considerada baixa.

Das mulheres que tiveram parto normal, apenas oito dos 292 bebês analisados (2,7%) testaram positivo para a doença. Dentre os 364 recém-nascidos cujas mães passaram por cesariana, 20 (5,3%) apresentaram resultado positivo para a covid-19. O estudo também revelou que maior parte das crianças com eram assintomáticas.

O estudo considerou outros 49 trabalhos publicados sobre saúde neonatal durante a pandemia de covid-19. A análise também revelou que amamentar ou permitir o contato das mães com seus filhos logo após o nascimento não aumenta o índice de infecção.

A partir dos nossos resultados, estamos convencidos de que a probabilidade de infecção por covid-19 em recém-nascidos é baixa", diz comunicado publicado pelos pesquisadores.

Apesar disso, outros estudos devem ter continuidade, já que não ficou confirmado de que a doença entre essas crianças tenha sido adquirida durante nascimento ou durante fase de incubação.