ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 20º

Interior

PCC lidera rebelião em presídio onde estão matadores de Rafaat

Internos do presídio de Tacumbú, em Assunção, chegaram a fazer dois guardas como reféns; pistoleiro que manuseou metralhadora e suposto mandante da execução de Jorge Rafaat não participaram

Helio de Freitas, de Dourados | 13/07/2016 14:36
Movimento em frente ao presídio de Tacumbú, em Assunção (Foto: ABC Color)
Movimento em frente ao presídio de Tacumbú, em Assunção (Foto: ABC Color)

Um princípio de rebelião provocou tumulto e tensão na manhã de hoje (13) no presídio de Tacumbú, em Assunção, capital do Paraguai. A penitenciária é a mais superlotada do país vizinho, com pelo menos 4.300 internos ocupando 2.100 vagas.

Entre os presos da unidade estão os brasileiros Sergio Lima dos Santos, acusado de manusear a metralhadora usada para matar o narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, e Jarvis Chimenes Pavão, que teria ordenado a execução para assumir o controle do crime em Pedro Juan Caballero e Ponta Porã.

De acordo com o governo paraguaio, o motim foi liderado por internos ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e a um grupo guerrilheiro chamado ACA (Agrupación Campesina Armada). A polícia do Paraguai afirma que o PCC se aliou a Jarvis Pavão para eliminar Rafaat e tomar conta do crime organizado na fronteira.

Conforme o jornal paraguaio ABC Color, dois guardas chegaram a ser feitos de reféns no pavilhão 5, mas em seguida o motim foi controlado e os agentes liberados.

Os guardas foram identificados como Francisco Paredes e Néstor Bogado, que ficou ferido na cabeça, possivelmente por um golpe de faca artesanal.

Tropas de elite da Polícia Nacional cercaram o presídio e logo o princípio de rebelião foi controlado. Os policiais ocuparam os pavilhões para um pente-fino nas celas.

Nos siga no Google Notícias