ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 16º

Interior

Perícia analisa se jovem morto atirou antes de PMs

Filho de secretária de Jardim foi morto a tiros em bar; policiais que efetuaram disparos foram afastados

Por Dayene Paz | 16/05/2022 09:07
Pedro Henrique Evangelista Bahia morreu no hospital. (Foto: Reprodução | Instagram)
Pedro Henrique Evangelista Bahia morreu no hospital. (Foto: Reprodução | Instagram)

Para confirmar a versão apresentada por policiais militares de que Pedro Henrique Evangelista Bahia, 24 anos, disparou sua arma antes de ser atingido por tiros, a perícia vai analisar a arma e se na mão da vítima havia pólvora ou outros resíduos deixados pelo disparo da arma de fogo.

Pedro morreu na madrugada deste domingo (15), após confusão em um bar na cidade de Jardim, a 236 quilômetros de Campo Grande. Ele é filho da secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Cultural da cidade, Delaine Evangelista Bahia.

Conforme o boletim de ocorrência, um primeiro disparo é feito pelo rapaz, o que fez com que os militares disparassem em seguida “a fim de cessar a injusta agressão”. No entanto, o delegado Amylcar Eduardo Paracatu afirma que, pelas imagens das câmeras de segurança, não há como afirmar se esse primeiro tiro saiu mesmo da arma de Pedro, um revólver calibre 38, ou dos policiais.

Havia três munições deflagradas, no entanto, Amylcar diz que apenas exame necroscópico e perícia na arma irão confirmar essa versão. "Existe uma testemunha que afirma, com toda certeza, que a vítima efetuou um disparo, mas não foi apreendido nenhum projétil que tenha ricocheteado nas paredes, não existe no local nenhuma marca que indique esse disparo, então a análise da arma vai ser importante para ver se houve disparo recente. Pelas imagens, a gente não conseguiu identificar esse disparo que a vítima teria dado naquele momento da abordagem", explicou.

Amylcar confirmou que Pedro Henrique não tinha porte de arma de fogo. O armamento também não tinha registro. As armas dos policiais foram apreendidas e também passarão por perícia.

Como começou a confusão no bar - Conforme o boletim de ocorrência, Pedro estava em um bar, quando foi retirado do local após uma briga com o segurança. Nesse momento, ele disse que voltaria armado, momento em que o dono do estabelecimento acionou a Polícia Militar.

Antes mesmo que a viatura chegasse, Pedro voltou ao local em uma caminhonete Toyota Hillux, cor branca, e desceu com a arma em punho “apontando para várias pessoas”. Neste momento, testemunhas começaram a gritar “ele está armado”.

Dois militares saíram e foram em direção a Pedro já se identificando e pedindo que ele abaixasse a arma. O rapaz não teria obedecido, apontou a arma para um deles e acionou o gatilho. Os dois policiais então dispararam contra o rapaz “a fim de cessar a injusta agressão” - diz o boletim e ocorrência – e um terceiro militar de folga chegou a sacar também a arma, mas acabou não efetuando nenhum disparo. O Corpo de Bombeiros socorreu Pedro e o levou para o hospital, mas ele não resistiu e morreu.

Investigação - Além da investigação da Polícia Civil, foi aberto inquérito militar para apurar os fatos. Os militares foram afastados e farão acompanhamento psicológico até que tudo seja esclarecido.

Nos siga no Google Notícias