ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Policial executado na fronteira levou mais de 30 tiros de fuzil Ak 47

Crime aconteceu no final da tarde de ontem (6), na Vila Reno, a 600 metros da delegacia onde era lotado

Por Viviane Oliveira | 07/03/2018 07:36
Polícia foi morto a 600 metros da delegacia, onde era lotado (Foto: Tião Prado - Pontaporãinforma)
Polícia foi morto a 600 metros da delegacia, onde era lotado (Foto: Tião Prado - Pontaporãinforma)
Policial era lotado na 1ª Delegacia de Polícia Civil (Foto: divulgação)
Policial era lotado na 1ª Delegacia de Polícia Civil (Foto: divulgação)

O policial civil Wescley Dias Vasconcelos, 37 anos, executado ontem em Ponta Porã, município na fronteira com o Paraguai, foi atingido por pelo menos 30 tiros de fuzil. O corpo dele está sendo velado desde as 3h desta quarta-feira (7) e ainda nesta manhã será levado para Brasília, onde vive a família dele.

O velório acontece na capela da Intepax, que fica na Rua Doutor Miguel Marcondes Armando, no Jardim Altos da Glória. Por volta das 9h, o corpo será translado para o Distrito Federal.

O policial conhecido também como “Baiano” foi morto a tiros de fuzil, AK 47 calibre 7.62. Ele foi morto a cerca de 600 metros da 1ª Delegacia de Polícia Civil, onde era lotado há pouco mais de três anos. A vítima seguia em um veículo oficial modelo Fiat Siena, de cor preta, quando foi interceptado por pistoleiros em um Honda Civic, e atingido por vários disparos, na Vila Reno.

Além dele, no veículo estava uma estagiária da delegacia que foi atingida por um tiro no braço. A jovem foi levada para o hospital local e ainda não há informação sobre o estado de saúde dela. 

Equipes da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) da Capital já estão na cidade apurando o caso. A reportagem tentou falar com o delegado Márcio Shiro Obara, que ficará responsável pela investigação, mas não conseguiu. 

Para o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de MS), o assassinato de um policial civil é uma afronta ao próprio Estado. "É preciso elucidar rapidamente o crime e punir os criminosos com o rigor da lei". 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário