ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Policial reagiu diante de "descontrole" de comerciante, afirma corporação

Comerciante quebrou a porta de madeira com socos e chutes; ele foi atingido por um tiro no abdômen

Por Kerolyn Araújo | 24/09/2020 16:14
Reginaldo Alves Ramalho, 45 anos, morreu na noite de ontem. (Foto: Reprodução/Facebook)
Reginaldo Alves Ramalho, 45 anos, morreu na noite de ontem. (Foto: Reprodução/Facebook)


Policial civil que atirou e matou o comerciante Reginaldo Alves Ramalho, 45 anos, no começo da noite de ontem (23) na Delegacia de Polícia de Glória de Dourados, cidade a 265 quilômetros de Campo Grande, disparou na tentativa de conter o descontrole do homem.

Conforme nota divulgada pela Polícia Civil, Reginaldo bateu na porta da delegacia por volta das 18h e foi atendido pelo investigador. Aparentando nervosismo, ele pediu para visitar um preso com o nome de Francisco.

Segundo a Polícia Civil, o investigador disse ao homem que não havia nenhum preso com aquele nome na delegacia e que também não era hora de visita. O comerciante, então, começou a dar chutes e socos na porta de madeira até destruí-la.

O investigador relatou que Reginaldo estava descontrolado e agressivo. Ele tentou adverti-lo para que recuasse, mas comerciante invadiu a delegacia. O policial deu um tiro que atingiu o abdômen da vítima.

Reginaldo chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Familiares relataram à reportagem que, no domingo (20), o comerciante teve um "surto" e foi levado ao hospital. Ele foi medicado com anti-depressivo, antipsicótico e calmante.

A arma utilizada pelo investigador e cápsula deflagrada foram apreendidas pela perícia técnica e levadas para Unidade Regional de Perícias e Identificação em Dourados, onde será periciada.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário