ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Prefeita garante que está “tranquila” com operação do Gaeco

Ação apura esquemas de corrupção envolvendo fraude em licitação e sonegação fiscal em execução desde 2017

Jhefferson Gamarra | 18/05/2023 13:05
Servidores do Gaeco durante operação em Sidrôlandia (Foto: Marcos Maluf)
Servidores do Gaeco durante operação em Sidrôlandia (Foto: Marcos Maluf)

Eleita em pleito suplementar em 2021, a prefeita de Sidrolândia, Vanda Camilo (PP), garantiu que está tranquila e acompanhando os desdobramentos da Operação Tromper, deflagrada na manhã desta quinta-feira (18) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) para apurar esquemas de corrupção envolvendo fraude em licitação e sonegação fiscal na prefeitura que estariam acontecendo desde 2017.

De acordo com Gaeco, foi verificada a existência de esquema de corrupção na prefeitura, em funcionamento desde 2017, destinado à obtenção de vantagens ilícitas por meio da prática de crimes de peculato, falsidade ideológica e fraude às licitações, associação criminosa e sonegação fiscal.

“Estou tranquila, seguindo a rotina normal de trabalho e vamos aguardar o final da operação", resumiu a prefeita. Em nota, a chefe do Executivo informou que ficou sabendo da ação através da imprensa e que continua com a rotina normal de trabalho. “Vamos aguardar o deslinde da operação para adotar as providências e prestar os esclarecimentos necessários à população, de forma responsável e imparcial”, informou Vanda Camilo.

Segundo apurado pela reportagem, os policiais estão cumprindo mandados de busca e apreensão na casa de atuais servidores da prefeitura.

Conforme a investigação, para dar ares de legitimidade aos certames licitatórios e fazer o desvio dos recursos públicos reservados para a execução dos contratos. O grupo criminoso abria empresas ou se aproveitava da existência de cadastramentos para incrementar o objeto social sem que o estabelecimento comercial apresentasse experiência, estrutura ou capacidade técnica para execução do serviço contratado ou fornecimento do material adquirido pelo município.

Nos siga no Google Notícias