ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEXTA  05    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Pressionada, prefeita mantém lojas fechadas por pelo menos mais uma semana

No dia 7, Délia Razuk vai reavaliar o avanço do coronavírus em Dourados para decidir se flexibiliza medidas contra pandemia

Por Helio de Freitas, de Dourados | 31/03/2020 11:55
Calçadão da Praça Antônio João em frente à Catedral sem movimento e lojas fechadas (Foto: Adilson Domingos)
Calçadão da Praça Antônio João em frente à Catedral sem movimento e lojas fechadas (Foto: Adilson Domingos)

O comércio de Dourados, segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, vai continuar fechado, pelo menos por mais uma semana, anunciou nesta terça-feira (31) a prefeita Délia Razuk (PTB). Em transmissão ao vivo pelo Facebook, a prefeita disse que apesar da pressão do setor produtivo pela flexibilização das medidas adotadas para conter a pandemia do novo coronavírus, por enquanto nada muda.

Ela anunciou que no dia 7 de abril, próxima terça-feira, fará nova avaliação da situação com o comitê do coronavírus, formado por assessores da prefeitura, especialistas em saúde pública e representantes da associação comercial, OAB e da Câmara de Vereadores. Até ontem, o município de Dourados tinha dois casos confirmados de Covid-19 e seis casos esperando resultado de exame.

“As demandas são muitas, uns querendo a flexibilização da atividade comercial, outros querendo o fechamento total. Todos os pedidos são baseados na necessidade de cada postulante, mas cabe ao poder público achar a melhor solução. O fechamento do comércio foi uma triste necessidade. O setor produtivo também nos preocupa, mas a segurança das pessoas é nossa primeira necessidade”, afirmou a prefeita.

“Estou fixando uma data e voltaremos a enfrentar essa questão no dia 7 de abril”, anunciou Délia Razuk. Ela também anunciou que vai intensificar a fiscalização para evitar aglomerações e manter distância de dois metros nas filas de serviços essenciais que continuam funcionando, como casas lotéricas. “Nosso maior objetivo é salvar vidas, é proteger nossas famílias”.

Além do fechamento do comércio em geral e do atendimento ao público das agências bancárias, a prefeita suspendeu a abertura de bares e casas noturnas. Inicialmente fechou também as feiras livres, mas depois liberou o funcionamento com medidas de higiene e para conter aglomerações. Dourados está sob toque de recolher das 22h às 5h da madrugada.

Restaurantes, conveniências, lanchonetes, cafés, padarias e estabelecimentos do ramo alimentício, distribuidoras de água mineral e gás funcionam por entrega em domicílio ou retirada de produtos no próprio estabelecimento.

Na sexta-feira (27), comerciantes de vários setores e empresários do ramo de transportes fizeram carreata até a prefeitura para cobrar a abertura do comércio, como já ocorreu em outras cidades do interior, como Amambai, Ponta Porã e Sidrolândia.

Nesta terça, após o pronunciamento da prefeita, organizadores do protesto da semana passada questionaram a prefeita sobre os impostos municipais. “Será que ela vai suspender a cobrança dos impostos municipais pelos próximos três meses e parcelar as dívidas depois ou vamos continuar pagando normalmente, mesmo com as portas fechadas?”. A prefeitura ainda não se manifestou sobre a cobrança de ISS e do IPTU.