ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, DOMINGO  05    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Primeiro foragido já recapturado foi condenado com nome falso no PY

Preso, foragido e procurado como Eduardo Alves da Cunha, nome verdadeiro seria Luis Alves da Cruz

Por Kerolyn Araújo e Izabela Sanchez | 20/01/2020 11:33
O brasileiro Eduardo Alves da Cunha foi preso e condenado com nome falso no Paraguai (Foto: Divulgação/Polícia Paraguaia)
O brasileiro Eduardo Alves da Cunha foi preso e condenado com nome falso no Paraguai (Foto: Divulgação/Polícia Paraguaia)

Foi preso e condenado, no Paraguai, como Eduardo Alves da Cunha. Fugiu, junto com os outros 73 integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), do Presídio de Pedro Juan Caballero, na madrugada de domingo (19) e recapturado, se tornou Luis Alves da Cruz. É o primeiro brasileiro da lista de "fuga em massa" do PCC a ser recapturado, ação de policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira).

Ele foi detido por policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) na manhã desta segunda-feira (20) no Assentamento Itamarati, distante a 49 quilômetros de Ponta Porã. Outros 73 homens seguem foragidos.

O primeiro integrante da facção a ser recapturado está na lista de busca da Polícia Nacional do Paraguai como Eduardo, mas conforme apurou a reportagem do Campo Grande News, autoridades acreditam que o nome do preso seria Luis, apesar de ter sido até condenado com documentos falsos. 

Eduardo ou Luis ao ser preso nesta segunda-feira (20) (Foto: Direto das Ruas)
Eduardo ou Luis ao ser preso nesta segunda-feira (20) (Foto: Direto das Ruas)

O primeiro recapturado tem 30 anos, é de Imperatriz, no Maranhão, e cumpria pena por tráfico de drogas na penitenciária de Pedro Juan Caballero há quatro anos. Segundo o comando do DOF, o homem foi abordado no assentamento, aparentou nervosismo e acabou por confessar ser um dos fugitivos da penitenciária.

As buscas pelos foragidos continuam em território brasileiro e paraguaio com ajuda de, aproximadamente, 200 homens das forças policiais de Mato Grosso do Sul, civis e militares, além de agentes da Força Nacional de Segurança Pública em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

Número errado - Por quase todo o dia de domingo (19), as autoridades paraguaias divulgaram uma lista com 75 foragidos, mas se equivocaram e reduziram para 74, sendo 40 deles brasileiros. Durante a noite, admitiram o erro ao incluir dois nomes que nem sequer estavam presos no Presídio em Pedro Juan.

De acordo com o jornal paraguaio ABC Color, nesta manhã uma casa em Capitán Bado, cidade paraguaia distante a 169 quilômetros de Ponta Porã, foi apontada como esconderijo de alguns dos foragidos. No local a polícia encontrou caixas com munições e veículos, mas os bandidos não foram localizados. Outros três imóveis também foram alvo de buscas.