ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  18    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Servidores federais fazem em Dourados manifestação por adicional de fronteira

Por Viviane Oliveira | 27/11/2013 09:42
A manifestação começou hoje por volta das 8h. (Foto: divulgação)
A manifestação começou hoje por volta das 8h. (Foto: divulgação)

Para que seja pago adicional de fronteira, cerca de 40 servidores da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e da Receita Federal, protestam na manhã desta quarta-feira (27) na BR-163, no quilômetro 267, em Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com um representante do SINPRF (Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais), Paulo Molina, hoje o servidor não recebe nenhum incentivo por trabalhar em região de fronteira, o que acaba fazendo o policial pedir remoção para a cidade de origem ou para os grandes centros.

Segundo Paulo, o governo federal gasta muito treinando um servidor para combater crime específico da fronteira, como por exemplo, tráfico de drogas, de armas e munições, no entanto, o funcionário não permanece.

“O salário é o mesmo de outras cidades, com o incentivo a intenção é que o servidor tenha uma vantagem para se estabelecer aqui”, diz, acrescentando que nem sempre um policial é posto no lugar daquele que foi transferido.

Uma das principais ações estruturantes que aguarda a regulamentação é chamada indenização de fronteira, prevista no plano estratégico, a indenização foi criada pela lei nº 12.855 em setembro deste ano, porém não foi regulamentada. Conforme Paulo, o valor de incentivo seria de R$ 91 por 8h trabalhada. “A intenção é fazer que o servidor que foi treinado permaneça na região de fronteira”, destaca.

Segundo ele, hoje são 59 postos da PRF, 18 unidades da Polícia Federal e 31 da Receita Federal para fiscalizar 16.800 quilômetros na faixa de fronteira. “Esse número não é suficiente”, afirma. Os servidores intensificaram as ações e como forma de protesto estão entregando folhetos com informações sobre a nova lei para a população. O protesto começou às 8h e vai até o meio dia.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário